Publicidade
Manaus
Manaus

Vítima de suposta armadilha, mototaxista é morto a tiros na Zona Norte de Manaus

Homem foi alvejado com sete tiros após receber telefonema de mulher solicitando serviço. Dois homens são suspeitos e crime será investigado pela DEHS 14/07/2014 às 16:40
Show 1
Segundo a PM, homem foi morto após ser atraído para área deserta
ACRÍTICA.COM* Manaus (AM)

O mototaxista Alisson Roberto dos Santos Branco, 34, foi encontrado morto na tarde deste domingo (13) vítima de uma suposta armadilha. O crime ocorreu próximo a um terreno baldio na rua Jenipapo, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte de Manaus. Segundo a polícia, o homem foi alvejado com sete tiros efetuados por dois homens em uma motocicleta.

O crime ocorreu por volta das 16h deste domingo. Segundo a polícia, o mototaxista assistia à partida final da Copa do Mundo em sua residência, localizada na comunidade Jesus Me Deu, Zona Norte, quando recebeu uma ligação de uma mulher não identificada solicitando uma corrida. Na ocasião, Alisson teria se deslocado até o bairro Campos Sales, na Zona Oeste.

De acordo com a polícia, lá o homem teria buscado a mulher. Ainda segundo a PM, a suspeita pediu que Alisson parasse a moto em uma área deserta da rua Jenipapo. No local, o homem foi executado com sete tiros por dois indivíduos não identificados. A esposa da vítima, Arlenilza Branco, 32, afirma que ouviu parte da ação.

“Cheguei a ligar pra ele momentos antes de tudo e o celular ficou ligado. Ouvi várias pessoas falando e pedindo pra ele passar o dinheiro. Acredito que foi uma armadilha porque a moto dele não foi roubada. Ele nunca teve envolvimento com tráfico nem com nada e era um pai de família”, disse a vendedora.

Nesta segunda, a polícia chegou a levantar a hipótese de o mototaxista ter sido vítima de um acerto de contas decorrente do tráfico de drogas. Segundo a PM, a história surgiu após ser encontrada uma lista com vários nomes exibindo uma lista de pagamento. A família descarta a suposição e justificou o objeto afirmando que o homem realizava pagamentos a outros funcionários, pois, segundo eles, Alisson também era presidente de um ponto de mototáxi.

Alisson foi alvejado com três tiros no pescoço e quatro no braço esquerdo. Nenhum suspeito foi preso até a tarde desta segunda-feira (14). O crime será investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

*Com informações da repórter Girlene Medeiros

Publicidade
Publicidade