Publicidade
Manaus
DOAÇÃO

Vizinhos se mobilizam para ajudar família que perdeu casa em incêndio na Praça 14

Sinistro provocado por terceiro morador deixou uma vítima fatal, uma mulher de 31 anos. Sobreviventes afirmam que ficaram só com a roupa do corpo. Secretarias foram acionadas para auxiliar famílias 11/10/2016 às 21:38 - Atualizado em 11/10/2016 às 21:38
Show incendio
Incêndio em residência deixou uma vítima fatal (Foto: Márcio Silva)
Isabelle Valois Manaus (AM)

Vizinhos da família que perdeu todos os pertences no incêndio criminoso ocorrido no último domingo, na rua Afonso Pena, bairro Praça 14 de Janeiro, Zona Centro-Sul, estão realizando uma ação social para arrecadar roupas e pertences de casa a serem doados para o casal de irmãos que lá moravam. O incêndio foi causado por um terceiro morador da casa, irmão dos outros dois, após uma bebedeira. Márcia Parente Vilas Boas, 31, morreu durante o incêndio.      

De  acordo com os conhecidos da família, durante o incêndio, os irmãos Michael Pereira e a irmã Débora Pereira, que não foram responsáveis pelo fogo, ficaram só com a roupa do corpo. Michael, que ajudava nas despesas trabalhando com maquiagem e como cabeleireiro, perdeu todo seu material de trabalho. Débora, que está grávida de quatro meses, além das coisas pessoais, perdeu todo o enxoval do bebê. “Estamos em busca de doações. Qualquer roupa, calçado masculino e feminino, assim como roupas de bebê, será bem recebido e entregue a essa família”, disse uma vizinha dos dois, que se identificou como Laura.

Além das roupas, os vizinhos também solicitam doações de utensílios do lar. “Não sobrou nada, em minutos eles perderam tudo. Caso alguém possa ajudar com doações de materiais domésticos, essas doações também serão bem recebidas”, reforçou Laura.  As doações podem ser entregues diretamente no local do incêndio, rua Afonso Pena, 70a. Os doadores devem procurar por Nancy.

Secretarias convocadas

Um ofício de caráter de urgência, expedido ontem pela Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), solicita o comparecimento de representantes da Superintendência Estadual de Habitação (Suhab), da Procuradoria Geral do Estado (PGE), a Secretaria Estadual de Assistência Social (Seas) e da Secretaria Municipal da Mulher Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh), amanhã, na defensoria, para tratar da situação social em que se encontram as famílias  vítimas do incêndio que  destruiu sete casas do beco do Dilúvio, na rua Paulo Sexto, bairro Petrópolis Zona Sul, no  dia 3 deste mês.

Moradores e membros das Cáritas Arquediocesana procuraram a denfesoria, informando que, desde o dia do incêndio, só houve o comparecimento da Semmasdh.

DPE cobra respostas

Conforme o defensor Carlos Alberto Almeida Filho, titular da Defensoria Especializada de Atendimento de Interesses Coletivos, a DPE-AM foi acionada pelos moradores afetados pelo incêndio do Petrópolis na última segunda-feira.

Segundo os moradores, representantes da Semmasdh ficaram de retornar para dar um posicionamento sobre quais procedimentos a secretaria iria adotar para ajudá-los. “Até o momento não houve nenhum retorno da secretaria. Essas famílias já estavam cadastradas para receber indenização por conta do Prosamim  e até agora não existe nenhuma resposta positiva em relação as indenizações. Então, resolvemos expedir o ofício de caráter para que todas essas secretaria envolvidas na assistência social dessas famílias compareçam na DPE”.  

Cada entidade deve encaminhar amanhã os representantes para a reunião às 10h30 na unidade do Centro da DPE-AM, na 24 de Maio. “O que irá acontecer a  partir dessa reunião é que, se houver o acordo, se resolve o problema, mas se não houver acordo, nós vamos entrar com ação judicial, pedindo inclusive a reparação do prejuízo moral deles, além do aluguel social de forma urgente”, disse Carlos Alberto.

Auxílio assegurado

A Semmasdh informou que as equipes estiveram no dia do incêndio e no dia seguinte, e foi agendado para que as famílias comparecessem à sede da secretaria para receber mais orientações. Do total de famílias, sete compareceram. Dez famílias já foram inseridas no Auxílio-Aluguel e aguardam o prazo do BB para o pagamento.

Publicidade
Publicidade