Publicidade
Parintins 2017
Chuva não atrapalhou

Caprichoso arrasta multidão no último boi de rua antes do Festival de Parintins

Pelas ruas de Parintins, touro negro arrasta multidão ao som de muitas toadas 19/06/2016 às 01:15 - Atualizado em 19/06/2016 às 19:35
acritica.com Parintins (AM)

Nem a chuva impediu uma multidão azul e branca de acompanhar o último ‘Boi de Rua’ do Caprichoso antes do 51º Festival Folclórico de Parintins, na noite deste sábado (18), pelas ruas da Ilha Tupinambarana.

Embalados pelo ritmo do boi-bumbá e na base do “dois pra lá, dois pra cá”, torcedores do Touro Negro -  e até alguns do “contrário” – percorreram as avenidas Amazonas, Jonatas Pedrosa, Getúlio Vargas e Gomes de Castro, até chegar ao Curral Zeca Xibelão, reduto do Boi Azul, onde a festa entrou pela madrugada.

Bem à frente, evoluindo em seu “boizinho”, vinha o pequeno mas apaixonado torcedor mirim Gregory Pietro Mozambide, de 7 anos, que espera ansioso pelo dia do Boi de Rua, em que vai poder fazer o que mais gosta: brincar de boi. “Ele adora brincar de boi, o sonho dele é ser tripa do Caprichoso. Eu acho lindo, é o nosso boi, fico toda orgulhosa”, contou a mãe do promissor “tripinha”.

Mas nem só de torcedores azuis é feito o “Boi de Rua” do Caprichoso. Que o diga Agenor Amaral, o discreto torcedor do Garantido que acompanhou o Touro Negro do início ao fim.  Discreto porque nem na festa do contrário ele abriu mão do vermelho: “Meu tênis é vermelho”, brincou ele, que foi acompanhar a esposa, Rosiane Nunes Araújo, e a filha, Anne Gabrielle Araújo de Amaral, apaixonadas pelo bumbá da Francesa. “Eu e minha filha somos Caprichoso, mas ele é Garantido. Só que ele nos acompanha nas festas do nosso boi e nós acompanhamos ele no Garantido também. Família que brinca de boi unida permanece unida”, disse Rosiane.

Empreendedor
Teve também quem aproveitou o “Boi de Rua” pra “vender o seu peixe”. É o caso do empresário Ricardo Novo, dono da empresa FortFibra Transforme, especializada na confecção de estátuas e itens de fibra. Ele desfilou pela avenida Amazonas levando uma réplica de um touro negro adaptada para ser um barril de choppe. A bebida saía de um lugar inusitado: o pênis do boi. E se engana quem pensa que isso afastou os compradores: a curiosidade da multidão garantiu o sucesso da idéia de Ricardo, que precisou encher mais de uma vez o “barril do boi”, que tem capacidade para armazenar 100 litros de bebida. “Foi a idéia que tive para fazer propaganda do meu negócio, ganhar um dinheirinho e ainda curtir a festa”, contou.

Feijoada
Neste domingo (19) o Boi Caprichoso realiza a sua última feijoada oficial, no Curral Zeca Xibelão e, na segunda, terça e quarta-feira o bumbá realiza ensaios técnicos, também no seu curral. Na quinta-feira as alegorias devem ser levadas para o bumbódromo, palco do Festival Folclórico de Parintins, que acontece na sexta (24), sábado( 25) e domingo (26).

Publicidade
Publicidade