Publicidade
Parintins 2017
a semanas do festival

Lixeira atrai aves até aeroporto de Parintins, deixando passageiros aéreos apreensivos

Sustos, como o desta sexta-feira (10), quando uma ave colidiu com a aeronave que pousava no município amazonense, ainda preocupam os passageiros 10/06/2016 às 20:27 - Atualizado em 13/06/2016 às 15:47
Paulo André Nunes Parintins (AM)

Passageiros que costumam viajar de avião para Parintins (a 325 quilômetros de Manaus) estão cada vez mais temerosos com o risco de acidentes devido à grande quantidade de pássaros que sobrevoam o Aeroporto Municipal Júlio Belém, o único da cidade dos bois-bumbás Garantido e Caprichoso. 

Ontem, passageiros do voo 5912, que partiu de Manaus pela manhã, passaram por momentos de tensão após uma pássaro da espécie quero-quero se chocar contra a hélice da aeronave prefixo PRMPY, da empresa MAP Linhas Aéreas, já em solo firme. A reportagem de A CRÍTICA estava no interior do avião quando o incidente aconteceu. 

O incidente ocorreu por volta de 7h45, quando a aeronave já estava no pátio e os passageiros com destino à ilha tupinambarana já haviam desembarcado. Após pousar em Parintins, o avião teria como destino o Município de Itaituba, no Pará. Os passageiros foram orientados a esperar pelos reparos na aeronave e alojados em um hotel até 15h, quando a aeronave foi liberada. 

Aterro-problema

Quem convive com a ameaça aponta o aterro sanitário existente a 2 quilômetros do aeroporto como foco do problema: ele atrai urubus e outros pássaros. “Será preciso acontecer uma tragédia para que alguma providência seja adotada? É inadmissível que essa lixeira exista próximo a um aeroporto. Alguém já deveria ter feito algo há tempos. Eu tinha uma reunião de negócios em Itaituba e estou parado aqui, sem poder fazer nada”, esbravejou o empresário Jailton Bezerra, que teve a viagem interrompida pelo incidente. 

O engenheiro civil Josinaldo Rebouças foi outro passageiro que teve os afazeres prejudicados. “Estou indignado com essa situação. Essa lixeira é um problema. Observei vários urubus sobrevoando o aeroporto  e acho que a prefeitura de Parintins deveria tomar uma providência”.

A lixeira existente próximo ao Aeroporto Júlio Belém é um complicador para pilotos e passageiros. Além dos ‘quero-queros’, são os urubus que mais preocupam. Um procedimento comum adotado após os casos como o de ontem manhã é acionar sinalizadores na pista para afugentar outros pássaros que encontrem-se ao redor do avião. A reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação da empresa MAP Linhas Aéreas, mas até o fechamento desta edição não obteve retorno.

Incidente com aves é  ‘natural’, diz aeroporto

A administração do Aeroporto Júlio Belém classificou como “algo da natureza” o choque do pássaro contra a hélice da aeronave, ontem, em Parintins.  Segundo a administradora Sofia Haidos, “toda a cidade de Parintins tem concentração de aves e no aeroporto não seria diferente”.

A gestora disse que o caso de ontem não tem relação com a lixeira, e que foi feita uma inspeção na pista logo após o ocorrido por meio de bombeiros aeródromos. Ainda segundo ela,  a administração usa de todas as formas para afugentar os pássaros da área do Júlio Belém. Ela ressalta, por sua vez, que o aeroporto está preparando a parte estrutural para receber os visitantes de outras cidades, Estados e países visando o 51° Festival de Parintins.

“Já recebemos o Cindacta aqui na cidade e estamos implantando os equipamentos que vão dar suporte no período do evento”, informou Sofia Haidos.

‘Questões jurídicas’

A reportagem de A CRÍTICA procurou a Secretaria de Meio Ambiente de Parintins, mas foi informada que a pasta não poderia se posicionar sobre o assunto, por questões jurídicas em andamento. A pessoa indicada para falar sobre o caso foi o procurador-geral do Município que, em viagem a Manaus, não foi localizado.

Publicidade
Publicidade