Publicidade
Parintins 2017
AZULOU

Multidão azul toma conta da Avenida Amazonas no 'Boi de Rua'

Festa resgatada em 2001 vem crescendo a cada ano, ao som de toadas clássicas do Touro Negro 25/06/2017 às 00:18 - Atualizado em 25/06/2017 às 02:28
Oswaldo Neto Parintins (AM)

Uma multidão prestigiou na noite deste sábado (24) o Boi de Rua do Caprichoso em Parintins (a 325 quilômetros de Manaus). Ao som de toadas clássicas que embalaram a história do touro negro, o boi cruzou a avenida Amazonas e fez contato com os torcedores da cidade apresentando uma prévia da animação do festival. 

A festa começou por volta das 21h40 no início da avenida e teve a presença de todos os itens do Caprichoso, que dançaram e tiraram fotos com populares. Em um trio, itens como o levantador de toadas, David Assayag, e o apresentador Edmundo Oran fizeram milhares de pessoas curtirem a festa, que foi resgatada em 2001 pelo ex-integrante da marujada, João do Carmo, o "Careca". A festa termina na Catedral de Nossa Senhora do Carmo, onde todos se reúnem para o ápice da festa. 

Para o vice-presidente do Caprichoso, Jender Lobato, o boi de rua é o momento mais tradicional do boi-bumba em Parintins. "É o momento onde as pessoas saem de suas casas e sentem esse calor aqui, esse calor humano e gostoso. É o momento onde todos cantam dança e pulam as toadas do boi-bumbá Caprichoso". 

Ainda segundo Lobato, o momento do boi de rua se tornou o mais esperado pela torcida e a cada ano tem superado as expectativas. "Não falando como vice-presidente, mas eu me sinto extremamente emocionado de chegar aqui e ver essa multidão. Você percebe que ninguém consegue andar. O boi de rua representa tudo na nossa vida". 

Emoção

Além das toadas apresentadas pelos itens oficiais, o boi de rua do Caprichoso mostrou a criatividade de artistas, emocionando moradores e visitantes. Ao longo de toda a avenida, mini-alegorias deixaram a festa ainda mais bonita, bem como réplicas da vaqueirada e do próprio boi Caprichoso.

Nascido em Parintins, o aposentado José Maria Pinheiro, 72, é uma figura assídua no boi de rua. Ele afirma que o momento é um resgate à história. "É uma emoção muito grande porque atualmente o boi cresceu muito, e nós que viemos lá de trás nos sentimos bem de vir para o boi de rua. Aqui toca as toadas antigas e a gente retorna ao passado. É gratificante e nos enche de orgulho", disse ele.

Publicidade
Publicidade