Domingo, 21 de Julho de 2019
Planejamento

O número 3 além da possibilidade do tricampeonato para o Caprichoso

De acordo com Ericky Nakanome, presidente do Conselho de Artes do Touro Negro, numeral possui conceitos acadêmicos e espirituais que são aplicados na arena do Bumbódromo



ericky_4D2CAADA-3EEA-4BEA-A244-83A888AFCE27.JPG Ericky Nakanome enlaça arte e espiritualidade na hora de pautar elementos para o boi (Foto: Euzivaldo Queiroz)
01/07/2019 às 00:03

"Aruanda: As Três Princesas". "Caximarro: As Três Guerreiras". "Neñia: As Três Preces". "Mátria". "Matriarca". O número 3 está em plena evidência nas composições do boi Caprichoso no ano de 2019. Diante da possibilidade de um tricampeonato, o 3 veste, para os azulados, a roupagem cabalística que desperta em seus dirigentes e torcedores a esperança da vitória. Mas não é tão somente - e obviamente - pelo tri que o numeral está tão explorado. Várias pesquisas foram realizadas para fundamentar o número - e sua presença na essência do bumbá.

Para Ericky Nakanome, presidente do Conselho de Artes do Caprichoso, concorrer a um tri é levar um boi três vezes maior, três vezes mais belo e mais bonito para o Bumbódromo. "O Conselho de Artes percebeu que, na busca por essa compreensão, falando de fé, de crença, de um passado plantado e de um presente de resistência e de um futuro de mudança, nós compreendemos que nossa busca pelo tri deveria ser pautada não apenas pelo princípio feminino,mas também pelo princípio da perfeição técnica", diz ele.

E a busca pelo tri é acentuada pelo número 3 em várias manifestações da história antiga, explica Nakanome. "O três como o número da perfeição vem de uma compreensão coletiva e ecumênica trazida por uma série de situações no cristianismo. Inclusive no dia de nossa missa, que ocorreu no dia 16 de junho em homenagem à Nossa Senhora do Carmo, foi o dia em que entramos em procissão e nos deparamos com uma surpresa: era o Dia da Trindade - Pai, Filho e Espírito Santo - para o cristianismo", destaca o presidente.

De acordo com Ericky, alicerçando o princípio feminino com o numeral 3, nasceram as lendas amazônicas do Caprichoso. "Das três preces Mura Pirahã, das três princesas de Aruanda, das três guerreiras do rito Talasseri. O tri, dentro da ideia fonética, temos presente nas toadas 'Matriarca' e 'Mátria", conta ele, ressaltando que também existe no tri conceitos de três pensadores brasileiros.

"O Caprichoso tem essa representação que em vários momentos se passa quando nós buscamos nossa fundamentação em Leonardo Boff, a partir de Paulo Freire e Moacir Gadotti. Essa tríade representa as nossas noites", destaca ele. Nakanome pondera ainda que Moacir apresenta o conceito de que "o novo Brasil é um Brasil que vem partindo do princípio feminino, do resgate do sagrado e do resgate de uma nova consciência". "Ou seja, três conceitos de transformação para o Brasil, e três conceitos que embalam a tríade Caprichoso para concorrer ao tricampeonato", assegura.

De acordo com Ericky, a intuição espiritual foi a grande guia na hora de fundamentar o número 3 nas apresentações do touro negro. "Tudo o que decidíamos era sempre partindo do número 3. As pessoas do Conselho de Artes são muito ligadas às suas respectivas espiritualidades, então nós temos católicos, evangélicos, umbandistas, candomblecistas, e dentro do grupo nós entendemos cada um com sua fé e individualidade, mas unidos por muito amor que nos é comum e que supera qualquer diferença religiosa, que é o amor pelo Caprichoso", ressalta o presidente do Conselho de Artes azulado.

Ericky alega compreender o Festival de Parintins como algo diferente de outras manifestações, que adotam a ideia do espetáculo. "O que a gente traz para a arena não é apenas o resultado de um trabalho técnico, mas um resultado daquilo que a gente acredita. Daquilo que cada um de nós compartilhamos. Somos torcedores, somos apaixonados e nossa vida se reflete na arena. Então tudo o que tem relacionado à nossa fé e crença levamos para a arena do Bumbódromo", comenta ele.

Ainda dentro da intuição existe os fundamentos da gestão atual do Caprichoso, que está em fase de transição dos presidentes Babá Tupinambá e Jender Lobato para próximos dirigentes. "Não é um tri no meio de um tri. É um tri que encerra o triênio da nossa gestão e a gente quer deixar um boi limpo e tricampeão para a próxima adminstração", alega ele. Coincidência ou não, a força do 3 no Caprichoso se confirmou durante o sorteio feito para definir a ordem das apresentações no festival deste ano. "A partir do momento que o Babá [Tupinambá] pega a primeira pedra de um numeral que é pequeno, mas que é o número 3, o Conselho de Artes de arrepiou e disse: 'É como se fosse um recado divino e espiritual'".

Receba Novidades

* campo obrigatório
Subeditora de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.