Publicidade
Parintins 2017
histórias do festival

Por onde anda? Analú Vieira, ex-Porta-Estandarte do boi-bumbá Caprichoso

Ela estreou como item 5 quando ainda era adolescente, aos 16 anos, e defendeu o estandarte nos anos de 2005 e 2006. Hoje é servidora federal 26/06/2016 às 16:14 - Atualizado em 26/06/2016 às 16:30
Show zcpa0424 01f
Analú, ainda adolescente, era quem dava sal ao Boi (foto: Arquivo Pessoal)
Jhonny Lima Parintins (AM)

Apaixonada pelo boi Caprichoso desde a infância, a ex-porta estandarte Analú Vieira deixou sua marca no Boi Azul nos anos de 2005 e 2006, quando foi detentora do estandarte ainda adolescente, aos 16 anos. Ela teve influência do avô, Didi Vieira, que por 25 anos foi padrinho do Boi  azulado.

Seus feitos e o amor pelo Caprichoso ele passou para toda a família. Uma década depois, a neta fala sobre as emoções em defender o bumbá e a decisão de entregar o posto tão desejado, mas sem  deixar de expressar sua profunda gratidão, agora como torcedora do Boi da Estrela na testa.  

Ainda criança, Analú ingressou na Escola de Arte Irmão Miguel de Pascalle, em Parintins,  onde fez  dança, música, estagiou e foi voluntária. “Aos 12 anos era a menina que dava sal e capim para o boi. Fui da diretoria do boizinho Diamante Negro e logo depois, aos 16 anos, surgiu a oportunidade de participar do concurso para novos itens. Dentre as mais de 100 meninas, fui escolhida porta-estandarte. Depois de ser item fui coordenadora voluntária das tribos especiais em 2011.  Sempre que o Caprichoso precisa, estou disposta a ajudar”, revelou.

Quando defendeu o item de número 5, as redes sociais não eram uma “febre” como hoje e a exposição era menor,  mas Analú  absorvia a energia positiva vinda da galera. “A minha alegria era sentir a emoção vinda da arquibancada, sentir a presença do meu avô, que faleceu quando eu era muito nova e não pôde me ver item, mas era ele quem me dava força para estar ali”, confessou.

Parintinense de nascença, atualmente Analú mora há 11 anos em Manaus, após trabalhar dois anos em Brasília. Ela é publicitária por formação e hoje é servidora pública federal: trabalha com Marketing Político e Eleitoral há mais de seis anos. “Acho que posso resumir a minha vida ao amor que eu tenho pela minha família, a vontade de trabalhar por uma sociedade mais justa e com oportunidades para todos e, claro, ver meu boi Caprichoso campeão”, finalizou Analú.

Saiba mais

Analú deixou o posto de Porta Estandarte em 2006, ficando apenas dois anos à frente do item. Depois dos 17 anos,  resolveu se dedicar à  faculdade.

Até hoje, Analú lembra que o momento de muita emoção foi na 3ª noite de apresentação em 2006.  A fantasia era bonita, mas muito pesada,  e ela estava a  23 metros de altura na alegoria do Espírito Carcará. 

Publicidade
Publicidade