Publicidade
Parintins
ESTREIA

Aconteceu: depois de uma semana vivendo Parintins, assistimos ao 1º dia do Festival

Emoção, trabalho, correria e todas resumem a primeira noite da dupla de 'gringos' no Bumbódromo. Caprichoso abriu a noite e Garantido encerrou. Ainda faltam dois dias 01/07/2018 às 15:51 - Atualizado em 01/07/2018 às 15:56
Show buma2
Felipe Gramajo e Isabella Pina Parintins (AM)

De uma saída de madrugada de casa com mala a travesseiro debaixo do braço, atravessamos o Rio Amazonas e chegamos a Parintins. Desde então, passaram-se oito dias. Oito dias de estágio para assinar a carteira na noite desta sexta-feira. Foi a primeira noite do festival de Parintins. Foi além dos ensaios. Foi pra valer.

O Caprichoso abriu a noite. Entrou, às 21h30, pontualmente. Estávamos ali dentro, em plena Arena. Todo mundo estava, na verdade. Estávamos, digo, ali em baixo. Lado a lado à marujada. À espera dos itens. Com a torcida azulada vibrando em uníssono atrás. Foi de arrepiar. 

Nós já tínhamos - e vocês sabem - acompanhado alguns ensaios dos bois. A gente viveu intensamente o 'pré-boi'. Decoramos toadas e, ouso dizer, criamos até certa intimidade com um ou outro personagem folclórico. Além disso, nossa casa - e lanchonete favorita - ficam ao lado da Praça dos Bois, onde as alegorias estavam guardadas. Em suma: sabíamos tudo o que iria compor a noite. 

Mas não fazíamos ideia. A mínima. A mais remota. A vibração da influência cultural, a entonação da torcida, os olhares que brilham de quem vê, ali dentro, um trabalho de meses, em andamento, arrepia. 

Nos perdemos. Como esperado. Felipe mergulhou no universo azul. Se misturou com a torcida e não apareceu mais. Viveu o momento dele de sentir, à fundo, o que o boi negro tem a oferecer. 

O especial dessa noite é que estávamos com a missão de dar continuidade à nossa aventura e registros em vídeo, mas a de trabalhar na apuração factual também. Ou seja: vivemos o melhor dos dois mundos. Eu, por exemplo, passei boa parte da apresentação do Caprichoso rodeando o Bumbódromo. Fiz amizades, entrevistas, e conheci o cara mais sensacional da primeira noite: o 'pajé voador', um canadense que voa por aí em cima de um hoverboard. Ele já foi até o Cirque du Soleil. 

E aí o Garantido entrou na Arena. Foi a segunda apresentação da noite. O Felipe, mais uma vez, sumiu. Dessa vez foi porque pegou um pouco de birra com o "contrário". Foi a vez dele ir trabalhar na redação. Eu fui curtir meu boi de escolha. 

Assim como no ensaio técnico, o Garantido abriu a noite com o Auto do Boi. Que momento! A história, nem sempre usada no festival, é uma das mais incríveis do folclore do Boi Bumbá. E assim a contaram. Além disso, o boi apostou na resistência cultural e negra como grande temas. As apresentações foram marcantes. De impressionar o escancaramento da realidade mascarada.

E aí, amigo, o resto é história. Muito mais fica guardado na memória do que em texto. O vídeo ajuda. Mas, a primeira vez dentro do Bumbódromo, em dia de apresentação, é difícil contar em narrativa linear. É informação e sentimento pra lá de laudas. 

Publicidade
Publicidade