Publicidade
Parintins
ARTE RECONHECIDA

Caprichoso aposta em dupla de ‘novatos’ multitalentosos como artistas de alegorias

Makoy Cardoso e Glemberg Castro já fizeram um pouco de tudo no Caprichoso antes de encarar outro desafio 25/06/2018 às 20:22 - Atualizado em 26/06/2018 às 09:06
Show dupla caprichoso
A parceria de Makoy Cardoso e Glemberg Castro é festejada pela dupla de artistas de alegoria. Foto: Antonio Lima
Rafael Seixas Parintins (AM)

Subir degrau por degrau é um processo natural na vida profissional de qualquer pessoa. Dentro do Caprichoso o negócio não é diferente. O boi da estrela apresenta para a torcida dois artistas de alegorias novos, Makoy Cardoso e Glemberg Castro, que carregam grande experiência em outros segmentos do universo do bumbá azul e branco. O reforço é necessário para levar o melhor do espetáculo “Sabedoria Popular: Uma Revolução Ancestral” para a Arena do Bumbódromo.

Makoy, de 37 anos, está há 19 anos no Caprichoso e este ano completa a 50ª fantasia de item que leva a sua assinatura. Mas, como o próprio diz, o ápice do artista é fazer uma alegoria. “Deus quis que a gente fizesse essa alegoria homenageando os nossos itens e artistas. Estamos agora em fase de conclusão. É um prazer fazer parte deste projeto grandioso. Com certeza a conquista é certa”, disse o artista, que é o criador de uma das fantasias dos itens individuais Pajé, Porta-Estandarte, Cunhã-Poranga e Rainha do Folclore em 2018.

Junto com Glemberg, Makoy é o responsável pela alegoria Figura Típica e Exaltação. “No primeiro momento temos a Artesã, no segundo fazemos uma homenagem aos artistas parintinenses. Deus colocou o dedo aqui e disse: ‘É aqui que vai nascer os artistas’”, brinca Makoy. A obra da dupla será apresentada na terceira noite do Festival Folclórico de Parintins – dia 1° de julho.  

“A proposta da alegoria é bastante diferente. Vamos usar somente três cores no início. Isso nunca foi feito no Bumbódromo. Trabalhamos com palha, cestarias e, em seguida, mostramos o colorido e o que o artista parintinense é capaz de fazer. Teremos bonecos que fazem alusão às manifestações culturais do Brasil. É uma homenagem aos artistas do Caprichoso e a todos que trabalham e fazem parte dessa festa”, acrescentou Makoy, que atua no Boi Caprichoso desde o ano de 1997 e a partir de 1999 engrenou na confecção de fantasias de itens individuais.

Da escolinha para o galpão

Fruto da Escola de Arte Irmão Miguel de Pascale, Glemberg tinha apenas 10 anos de idade quando entrou na turma de Música porque não tinha vaga no curso de Desenho – bastante concorrido, segundo o próprio.

“No ano seguinte comecei a pintar e a desenhar. Já ganhei três vezes o concurso de cartaz do festival e duas vezes fui vice-campeão. Nesse mundo artístico me identifiquei mais com o lado da tela. Depois [da escola] entrei no galpão do Caprichoso onde comecei a pintar, a desenhar, e a projetar”, disse Glemberg que, em seguida, entrou no Conselho de Artes do azul e passou a conciliar o trabalho com outras atividades no bumbá: desenhar figurino e alegoria, além de fazer processo de maquete, escultura e pintura.

Sobre Makoy, Glemberg é só felicidade porque a dupla é parceira de verdade. “Demos certo. Eu e ele sempre chegamos ao consenso para fazer o melhor e trazer novidades para o festival. Na verdade, a cada ano é uma superação em relação ao ano anterior. E em 2018 não é diferente. Serão dois momentos que o público se surpreenderá”, garante o artista, com experiência no Carnaval das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro – ele é pintor oficial da escola de samba Beija-Flor, campeã do Carnaval de 2018.  Será que no 53° Festival Folclórico de Parintins a história se repetirá?

Publicidade
Publicidade