Segunda-feira, 03 de Agosto de 2020
TEMÁTICA

Caprichoso traz encantarias e religiosidade para a segunda noite do Festival

Bumbá é o primeiro a se apresentar no Bumbódromo neste sábado, com o subtema 'No Braseiro da Fé, Esperança é Minha Luz'



BOI_JAIR_2_51446962-77C2-44AD-8658-B3FE3DF09119.jpg (Foto: Jair Araújo)
29/06/2019 às 12:21

Responsável por encerrar a primeira noite do Festival, o Caprichoso vai ter a missão de abrir as apresentações na noite deste sábado (29), no Bumbódromo de Parintins. A segunda noite vai trazer a religião, “mas não a tradicional, a oficial, mas sim todos os credos e sincretismos do Brasil”, explica Ericky Nakanome, presidente do Conselho de Artes do Caprichoso.

Na segunda noite, o bumbá Caprichoso passeia pela encantaria e traz as lendas e histórias que construíram a fé e religiosidade amazônica. 'No Braseiro da Fé, Esperança é Minha Luz', subtema do Caprichoso para esta segunda noite, desenvolvida dentro do tema principal 'Um Canto de Esperança para a Mátria Brasilis',  mostra toda a religiosidade do povo brasileiro, representado pelas Mátrias da Fé, do artista Aldenilson Pimentel.



Nela estão simbolizadas a religião cristã com Nossa Senhora Aparecida, Nhandecy divindade do povo Tupy e Yemanjá da nossa herança afro.

A figura típica regional traz o carro O Sacaca da Floresta, do artista Nei Meireles, e intensifica o sincretismo. Onde o caboclo, herdeiro dos velhos pajés, é representado por São Sebastião.

Depois surge na arena o Boi de Encantarias, como Exaltação Folclórica, do artista Nei Meireles, que apresenta a conexão Parintins-Maranhão para o surgimento do boi-bumbá. Nela, Dom Sebastião, Boto e Yara se misturam para 'descortinar o universo mágico das encantarias'. O momento deve ser protagonizado pela canção 'Boi de Encantaria', de autoria do próprio Ericky Nakanome, em parceria com Ronaldo Barbosa e Ronaldo Barbosa Jr.

A Lenda Amazônica da noite será 'As Princesas Turcas Encantadas na Amazônia', com alegoria de Márcio Gonçalves. O grande ritual da segunda noite será 'Kalankó - O Canto para Jurema Sagrada', uma alegoria de Kennedy Prata, e promete levantar a galera azul e branca com sua forte simbologia xamânica, danças cerimoniais e música. Waiá-Toré, de Ronaldo Barbosa Jr., deve dar o tom musical deste momento final. 

News img 3359 fc0997b7 5d55 4eeb ae15 98c46b0d43d9
Jornalista de A CRÍTICA

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.