Sábado, 08 de Agosto de 2020
CONFIANTE

Com gritos de 'Campeão', Garantido encerra 1ª apresentação do Festival 2019

Em noite de estreia de itens oficiais, Boi da Baixa exaltou as lutas do povo. Veja como foi a apresentação



garantido_0A16316F-5DDB-4773-A43F-5E991B343932.jpg Foto: Euzivaldo Queiroz
28/06/2019 às 23:12

O Boi-Bumbá Garantido abriu a primeira noite do 54° Festival Folclórico de Parintins exaltando  “O Boi das Lutas do Povo”, dentro do tema "Nós, o Povo".

A apresentação começou emocionante, com compositores entrando na Arena junto com Maria do Carmo Monteverde, que foram ocasionados pela galera vermelha e branca. Após, sob o som de um violinista que interpretou a toada imortal "Vermelho, o ator e compositor Marcos Moura declarou versos



Maria do Carmo foi o ponto alto do início da apresentação fazendo um discurso de resistência cultural que seria a tônica da primeira noite.

"Meu pai era um humilde pescador e só eu sei a luta do meu pai contra o preconceito contra nosso Boi. Meu pai foi o herói da nossa cultura. Um mestre do povo, do nosso povo vermelho", disse ela para o público presente, arrepiando a todos.
 
A primeira alegoria do Boi Garantido veio surpreendente mostrando a Lenda Amazônica “O Curupira, Sete Espíritos", retratando o imaginário dos índios Tembé Tenetehara, que habitam o Maranhão e o Pará e se autodenominam “Povo Verdadeiro”.

A alegoria se transformou em floresta amazônica a estrutura criou vida em forma de Curupira e em outros seis espíritos: além do menino do cabelo de fogo e pés para trás, também em onça, gavião, jacuraru, camaleão, cobra e na própria Mãe Natureza, ele protege a fauna e a flora dos ataques de caçadores e predadores.
 
 A alegoria foi concebida pelo artista de ponta Roberto Reis e equipe, e era uma das mais esperadas deste Festival: veio com 19 metros de altura, 44,8m de boca de cena e oito módulos, com participação de 60 dançarinos do Grupo Porantins, da cidade de Maués. A toada “Sete Espíritos”, do compositor Adriano Aguiar, embalou a teatralização do momento e destaque para o levantador de toadas Sebastião Júnior: ele veio fantasiado de Curupira. Mais próprio para o momento impossível.

A gigantesca alegoria da lenda também trouxe ninguém menos que a Cunhã-Poranga Isabelle Nogueira, que evoluiu para os aplausos da galera vermelha e branca. Ela veio transformada em Mãe Natureza.

Em seguida uma estreia: a de Adriano Paketá, o novo Pajé do Boi Garantido, que evoluiu junto com as tribos para um grande dabacuri. Uma surpresa  de tirar o fôlego: três grandes tuchauas vieram para a arena içados por um gigantesco totem tribal. No entanto, a parte de cima de um dos tuchauas teve um princípio de incêndio que foi debelado rapidamente pelo Corpo de Bombeiros - um curto-circuito teria sido a causa segundo informou a corporação.

CELEBRAÇÃO FOLCLÓRICA
 
Na Celebração Folclórica, o Boi trouxe a “Aldeia Cultural” onde, de lutas e confrontos, a Amazônia renasce numa grande aldeia da diversidade cultural humana, onde repousam nossa ancestralidade , nossas origens, nossos costumes, formas, espíritos, corpos, saberes e fazeres.

O Garantido mostrou que a Amazônia se tornou uma grande Aldeia Cultural de índios, negros, brancos, orientais, europeus, africanos, árabes, judeus, mestiços de toda sorte. Foi celebrada a comunhão de todos que aqui chegaram e que, de alguma forma, deram sua contribuição para a formação social e cultural da região. A alegoria foi criação de Francinaldo Guerreiro e Iran Martins, com 19 metros de altura, 50m de boca de cena, nove módulos, 104 dançarinos é um muito importante: do meio de um origame gigante saiu uma garça na qual veio o Boi Garantido. 

Na alegoria, veio a Sinhazinha da Fazenda, Djidja Cardoso, que evoluiu para o  cantar do novo Amo do Boi, Gaspar Medeiros. E mais: saindo de dentro de uma parte da alegoria que representava a cúpula do Teatro Amazonas veio para a Arena a Porta-Estandarte Edilene Tavares.

Na hora da evolução, com movimentos reais de um boi na Arena, o Boi Garantido até piscou para o público e jurados. Um resgate: parte da Vaqueirada veio sem lanças, somente com laços, como mandava a tradição inicial, já que os lanceiros só viriam anos depois.

ROSAS VERMELHAS

A toada "Rosas Vermelhas" foi cantada lindamente por Márcia Siqueira, Roci Mendonça e pela apresentadora da TV A Crítica, Naiandra Amorim.

FIGURA TÍPICA REGIONAL
 
O Garantido trouxe como personagem da Figura Típica Regional "O Juteiro", representando a transfiguração do koutakusei, imigrante japonês que veio para a Amazônia e se transformou no caboclo plantador de juta. Figura tipicamente amazônica, o juteiro surge com a instalação na região do Instituto de Agronomia  do Japão, no governo de Getúlio Vargas. 

Os koutakusei chegaram em Parintins em 1931 e iniciaram o plantio da juta trazida da Índia na Vila Amazônia. Ryota Oyama fez germinar as primeiras sementes e ficou clonhecido como “Pai da Juta”. A toada “Povo de Fibra", de Geandro Pantoja, Demétrios Haidos e Jacinto Rebelo, foi a escolhida para refletir, em canção, a força que a saga japonesa representou na formação do biótipo regional do juteiro da Amazônia.  

Uma arraia gigante conduziu a Rainha do Folclore, Brenda Beltrão, à área de evolução, sob os aplausos da torcida do vermelho e branco.

RITUAL

A apresentação da primeira noite do Garantido vai finalizar com o grandioso ritual “Kawahiwa”, na batalha dos habitantes do rio Tapajós contra a mã sorte, ou “panema”. No ritual, o pajé transcende ao mundo ancestral da Amazônia paleolítica dos grandes animais e feras devoradoras de gente, num ambiente de seres míticos fantásticos. Adriano Paketá foi ovacionado em mais uma bela evolução.

A estrutura foi construída pelo artista de ponta Marialvo Brandão e equipe, com 20m de altura e 30m de boca de cena, com oito módulos.

O Boi Garantido fechou sua primeira noite com o tempo de  2h29min36 e o apresentador Israel Paulain exaltando os itens individuais e a galera vermelha e branca já gritando "É campeão!".

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.