Publicidade
Parintins
SUCESSO

Consciência Negra conquista a galera vermelha e branca no Bumbódromo

A coreografia assinada pelo carioca Patrick Carvalho é uma das mais comentadas do Festival de Parintins. Composição é do grande Paulinho Dú Sagrado 30/06/2018 às 02:38 - Atualizado em 30/06/2018 às 02:48
Show consci ncia negra
Foto: Euzivaldo Queiroz
acritica.com Parintins (AM)

A penúltima alegoria que seria apresentada pelo Garantido na noite desta sexta-feira (29) iria fazer um tributo à consciência negra, abordando a resistência dos povos afrobrasileiros, e a luta deste povo até a chegada às terras tupiniquins. A resistência negra está incorporada na história e amalgamada na identidade cultural do povo brasileiro, como marca profunda de uma consciência que atravessou os difíceis e dolorosos tempos da escravidão, quando inúmeras etnias negras foram arrancadas da Mãe África e submetidas a condições absurdamente desumanas da colonização europeia.

Mesmo sem a  alegoria, prevista para a primeira noite, a coreografia assinada pelo carioca Patrick Carvalho fez bonito e deu ainda mais visibilidade para uma das toadas mais comentadas do Festival de Parintins. E ganhou muitos aplausos durante sua execução. A toada de Paulinho Dú Sagrado ganhou um “tom” a mais por meio do trabalho dos 15 bailarinos coordenados por Patrick  que foi o criador da impactante e necessária comissão de frente da escola de samba Paraíso da Tuiuti no Carnaval 2018. Chamada “O Grito de Liberdade”, a comissão de frente apresentava negros acorrentados, de modo a questionar o fim da escravidão do Brasil.

Depois de “Consciência Negra” veio outra toada de Paulinho Dú Sagrado, intitulada “Estandarte da Baixa”, uma homenagem para Edilene Tavares, que está estreando como Porta-Estandarte do Garantido. Para Paulinho, ela sim é o Estandarte da Baixa.

Publicidade
Publicidade