Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019
FORÇA VERMELHA

Cunhã-Poranga do Garantido pinta pele de vermelho durante evolução na Arena

Isabelle Nogueira está estreando no item. Anteriormente era Rainha do Folclore que agora é defendido por Brenda Beltrão



isabelle.JPG Foto: Euzivaldo Queiroz
30/06/2018 às 01:38

A história de resistência do guerreiro Ajuricaba, um tuxaua da tribo Manaó que preferiu se jogar no Encontro das Águas para se deixar carregar pela morte, ao invés de ser escravizado pela colonização portuguesa teve destaque na Lenda Amazônica da noite desta sexta-feira (29). Da alegoria surgiu a Cunhã-Poranga Isabelle Nogueira que estreou no item nesta edição do festival. Antigamente, a bela era Rainha do Folclore.

A Cunhã pintou de vermelho a pele. Em seguida veio momento dedicado à galera. Que interagiu e declarou o seu amor para a Baixa do São José, ao boi de Lindolfo Monteverde. Não faltou grito e palmas para demonstrar a paixão ao Garantido.



A Galera conduziu o espetáculo por alguns instantes. Israel Paulain então gritou o clássico bordão: “Inigualável!”. Em seguida veio o tributo a Pindorama, a famosa terra das palmeiras. Nos módulos alegóricos foram contadas a história das etnias que integravam as grandes províncias indígenas Tupi. A alegoria fala sobre a invasão das terras indígenas e a exploração da floresta, além de todos os outros males causados pela colonização.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.