Publicidade
Parintins
PLACAR

Em anos de Copa, Garantido foi campeão 8 vezes, contra cinco do Caprichoso

O dado curioso é que em 1982, o ano da 'Tragédia do Sarriá', o Caprichoso não participou da disputa e o vice foi o Boi Campineiro 27/06/2018 às 10:34
Show ace eq0492
Parintins vive o clima da Copa do Mundo (Foto: Euzivaldo Queiroz)
Paulo André Nunes Parintins (AM)

Em 53 anos de Festival Folclórico de Parintins um total de 13 Copas do Mundo foram realizadas pela Fifa, a organizadora oficial do maior evento futebolístico do Planeta. E é o Boi Garantido o maior vencedor em anos de Mundiais: o bumbá da Baixa do São José venceu 8 festivais em anos de Copa, contra 5 do Diamante Negro da Francesa.

O Garantido, que nasceu de uma promessa feita pelo seu fundador Lindolfo Monteverde a São João Batista, para a cura de uma enfermidade, foi campeão do Festival nos anos de 1966 (Inglaterra), 1970 (México), 1978 (Argentina), 1982 (Espanha), 1986 (México), 2002 (Japão/Coréia), 2006 (Alemanha) e 2014 (Brasil).

Já o Caprichoso, dos Irmãos Cid, triunfou em 1974 (Alemanha Ocidental), 1990 (Itália),1994 (Estados Unidos),1998 (França) e 2010 (África do Sul).

O curioso é que no ano do Mundial de 1982, o boi Caprichoso não participou da disputa. Sem receber a verba da Prefeitura de Parintins em tempo hábil, o Touro Negro se retirou da disputa. Quem enfrentou o Garantido no Estádio Tupy Catanhede, o palco da festa naquele ano, foi o Boi Campineiro, da região do Aninga, que acabou ficando com o vice-campeonato. O Campineiro não mais participa das festividades na Ilha. 

Clima de Copa na Ilha

Como acontece em todo o País, a Ilha Tupinambarana se pinta de verde e amarelo durante os jogos.  A rua Joaquim Prestes Azêdo, no bairro Santa Clara, é uma das mais animadas de Parintins nos jogos do Brasil no Mundial. Nela a comunidade enfeitou a via com decoração alusiva à Copa, com enfeites de fita em TNT verde e amarelo e outras em dourado, marmitas redondas com desenho de bola de futebol e estrelas prateadas em cartolina. A sede da fuzarca pró-Brasil é na casa de nº 790 de propriedade do marítimo Sebastião Silva Guimarães, 53.

“Todos nós da vizinhança nos reunimos para torcer pela Seleção Brasileira. Para quarta, dia 27, contra a Sérvia, vamos fazer um churrasco”, contou ele, sobre o jogo que começará às 14h (horário de Manaus) . E não tem Messi e Cristiano Ronaldo que ofusquem a idolatria dele por Neymar. “Ele é o nosso craque. Só falta o Jesus (Gabriel) deslanchar”, finaliza.  

A estudante Giovana Barbosa Ferreira,19, foi uma das organizadoras. Ela conta que a comunidade gastou cerca de R$ 200 para as despesas de ornamentação que consumiram três dias de trabalho. “Também tivemos patrocínio da prefeitura local, que  nos ajudou. Se depender da nossa torcida nós vamos ser hexacampeões”, diz a jovem parintinense, que torce pelo Boi Garantido. “Com essa vitória sobre a Costa Rica por 2 a 0 estamos trabalhando para fazer melhor para esta quarta-feira, aqui na rua”, ressalta ela, estimando que em torno de 45 pessoas estavam presentes durante a partida da Copa.

Amuletos

E em uma terra de tanta fé, há quem tenha seus amuletos. O casal Pedro Godinho, 51, que é operador de máquinas, e a comerciária Virgínia de Almeida Queiroz, leva a cadela “Xuxinha” para acompanhar as partidas. Na estreia do Brasil na Copa, eles estavam em um bar da rua João Melo, no Centro da Ilha Tupinambarana. O casal também esteve na Copa de 2014 em Parintins. Para este ano, a Seleção volta a ser consenso entre eles... menos a paixão pelos bois: ele é torcedor do Garantido e ela Caprichoso. “Meu Caprichoso é o melhor”, diz Virgínia. “Não: o meu Garantido é o melhor”, conta Pedro.

Publicidade
Publicidade