Sexta-feira, 07 de Agosto de 2020
AMOR AZUL

Família azulada se reúne cedo na fila para ver o Caprichoso

Irmãos já estão na fila desde quinta-feira e hoje já chegaram novos amigos e familiares, ansiosos para conferir a primeira noite do Festival de Parintins



ACE_EQ.-1356_EAA297A3-0832-4EBF-821C-3A273CB5DBB3.JPG (Foto: Euzivaldo Queiroz)
28/06/2019 às 11:13

Já virou tradição! Há pelo menos cinco anos o universitário Cássio Ferreira e a irmã dele, Cristiane Ferreira, são os primeiros a chegar à fila para a galera do boi Caprichoso. O casal de irmãos chegou às 10h de quinta-feira (27), e desde então estão revezando para descansarem e estarem dispostos para assistir ao touro negro, que entra no Bumbódromo às 23h15 desta sexta-feira, primeiro dia do 54º Festival Folclórico de Parintins. 

“Todo ano nós somos os primeiros, aí a gente escolhe um lugar centralizado para acompanhar tudo. Ontem, quando chegamos e a estrutura aqui nem estava montada, ficamos esperando para garantir”, diz Cássio, que contabiliza cerca de 100 pessoas entre amigos e familiares na fila. 



A família Souza não chegou tão cedo, mas também garantiu um lugar para ver o Caprichoso no Bumbódromo. O universitário de Artes Erleson Souza foi acompanhado da irmã, primos e cunhados. Se antes ele torcia pelos dois bois por fazer parte do corpo de dança do Garantido, agora o rapaz pode dedicar toda sua torcida ao boi azulado.

“Dancei dois anos lá porque era perto de casa, mas aí tive que parar por causa da faculdade. Eu ficava dividido porque queria ser campeão pelo meu trabalho, mas também pelo meu boi”, entrega. 

O Caprichoso traz um espetáculo com o tema “Um Canto de Esperança para Mátria Brasilis” para tentar o tricampeonato em 2019. Ele fecha a noite de hoje, abre as apresentações neste sábado e encerra o Festival no domingo. 

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.