Publicidade
Parintins
NATUREZA

Fortes chuvas atrasaram trabalho no Garantido, que fala em desafios

Boi vermelho e branco perdeu de 12 a 15 dias de serviços de galpão por conta de ter que interromper criação das alegorias quando ocorrem as chuvas 25/06/2018 às 08:59 - Atualizado em 25/06/2018 às 09:27
Show alegorias
Alegorias já estão chegando à área do Bumbódromo (Foto: Dante Graça)
Paulo André Nunes Parintins (AM)

O clima atípico de chuvas neste período do ano em Parintins vem deixando os dirigentes de Caprichoso e Garantido de sobreaviso para uma emergência em relação às gigantescas alegorias visando o 53º Festival Folclórico. As direções demonstram preocupação a poucos dias da apresentação no Bumbódromo.

O diretor de Arena do Boi Garantido, Telo Pinto, informa que  a associação folclórica vem tendo prejuízos e atrasou seus trabalhos por conta das chuvas na Ilha Tupinambarana. O bumbá tem 80% do trabalho concluído.

“Nosso boi é acostumado com desafios. Quando não é excesso de chuva é enchente, e tudo isso é realmente bastante preocupante. Quando chove, como tem acontecido torrencialmente aqui em Parintins, o nosso galpão para, pois temos que desligar todas as máquinas de solda, e a parte elétrica do boi como um todo. Param os serviços por duas ou três horas. O Garantido já era para estar pronto e acabado se não fosse por esse problema. Perdemos seguramente de 12 a 15 dias de trabalho por conta das fortes chuvas. Mas isso é a natureza, temos nos que nos adaptar. Estamos na Amazônia, vivemos aqui, sabemos dessas intempéries do tempo, agora é um pouco prejudicial e preocupante para todos nós”, conta Telo Pinto.

Há alegorias que o Garantido monta somente na concentração, e onde paira a dúvida sobre a Comissão de Arte de realizar esse serviço nos dias que antecedem o Festival ou somente no dia da apresentação por conta da possibilidade de fortes vendavais. O risco é calculado. “Já pensou um vendaval em uma alegoria montada com 15,16, 20 metros de altura, como ficará? Temos esse cuidado de pensar nisso e na segurança de quem vai estar trabalhando lá. E acima de tudo no espetáculo, para não prejudicar e nem quebrar nenhum carro alegórico ou módulo”, disse o membro da Comissão de Arte do Garantido.

Outra preocupação é com relação ao acabamento das gigantescas alegorias. A direção de Arena conversou com os artistas de galpão sobre esse assunto, disse ele, que já passou por vários setores do boi, inclusive o de presidente, até se ausentar por três anos e retornar ao vermelho e branco.

Anualmente os artistas de Parintins trazem técnicas novas que visam dar resistência às estruturas alegóricas. Neste ano a cobertura das alegorias deixou de ser feita no método da pastelagem com papel e agora é feito com tecido, tinta e cola, dando impermeabilidade. “Dessa forma pode chover que não vai dar problema de ensopar ou quebrar uma estrutura. Risco há, mas com certeza com esse novo formato de se revestir vem melhorando a cada ano a segurança de não perder um módulo. Nesse ano a pintura do boi está diferente: é mais clara, mais viva, de realmente encher os olhos. Vamos ter essa visão geral da estrutura quando ela estiver acabada. Na concentração já temos cerca de 70% do boi da primeira noite. Falta levar parte do ritual, celebração folclórica e parte da celebração indígena. Neste domingo já deveremos levar toda a primeira noite, fazer o processo de montagem, e até quinta estar com todas as alegorias na área de concentração do Garantido”, destaca ele.

Espetáculo vermelho e branco

“O Garantido preparou um novo espetáculo para o Festival, vem diferente neste ano. A Comissão de Arte estruturou todo um roteiro de arena muito bem baseado na concepção artística do Auto da Resistência Cultural. Pode esperar um Festival diferente, onde as representações culturais do Brasil estarão alí representadas. Fora isso tem a grandiosidade do espetáculo quando o Garantido retoma as grandes estruturas artísticas, um Festival multigrandioso, imponente como o evento exige”, disse ele.

Neste ano o Garantido vem com 230 módulos alegóricos para ser colocados na arena do Bumbódromo, “Cada alegoria tem a sua grandiosidade. Temos palco de rituais e lendas que vão de 34 metros de boca por 22m de fundo, ou seja, teremos um grandioso palco para apresentação de tribos indígenas e itens individuais. Teremos alegorias que vão a 22 metros de altura, ou seja, maiores até que o arco que faz a sonorização e iluminação do Bumbódromo. São desafios que o Garantido se presta a fazer para melhorar e engrandecer o Festival. Temos essa obrigação, esse compromisso maior, nesse retorno ao boi, após o convite do presidente Fábio Cardoso, de poder participar novamente do Garantido, de dirigir essa arena e a questão de concentração. Enfim, toda essa estrutura de fazer o espetáculo acontecer. Estou bastante motivado e feliz, e querendo, acima de tudo, vencer junto com todos esse Festival que é muito importante para todos nós”, disse ele.

“Naturalmente os bois vêm com quatro estruturas artísticas por noite, mas o Boi Garantido vem a mais, com cinco por noite, com módulos tribais, de evoluções, que nós vamos colocar dentro do espetáculo do Garantido neste Festival. Já houve  em festivais passados, mas o boi retoma, e não vai ficar só na celebração folclórica, lenda, figura típica e ritual. Teremos módulos tribais, módulos de evolução, de surgimento de itens que vão estar inseridos dentro do contexto de apresentação”, ressalta o diretor de arena vermelho e branco.

Ele conta que haverá “surpresas boas na questão cênica e coreográfica”. Segundo Telo, o Garantido “mais uma vez inova nesse ítem e pode haver surpresas; haverá bastante massa humana, cênica e coreográfica do nosso corpo cênico que está muito bem ensaiado e definido”.

Os três ensaios técnicos realizados nos dias 21, 22 e 23 deste mês na Cidade Garantido foram importantes para que a direção de Arena e a Comissão de Arte pudessem tirar todas as dúvidas de roteiro de apresentação, itens e parte cênica. “A Batucada está um show. O Boi está 80% pronto, motivado para ser campeão do Festival 2018”, conta Pinto. 

Publicidade
Publicidade