Domingo, 09 de Agosto de 2020
PROPOSTA

Garantido leva a 'Alegria do Povo' para encerrar segunda noite do Festival

Boi da Baixa apresenta o argumento de que se existe algo mágico na alma do povo brasileiro é que ele tem a capacidade de enfrentar as dificuldades da vida pelo riso



GAR1_9A738A51-14A0-45C9-9C5C-C56E9247A999.jpg (Foto: Euzivaldo Queiroz)
29/06/2019 às 12:43

Na segunda noite, Dia de São Pedro, o vermelho e branco encerrará a noitada desenvolvendo o subtema “Garantido, o Boi da Alegria do Povo”, baseado no argumento de que se existe algo mágico na alma do povo brasileiro é que ele tem a capacidade de enfrentar as dificuldades da vida pelo riso e pela imaginação e que se, porventura, talvez tivesse o “direito” de viver entristecido, mas escolheu a alegria como força motriz para enfrentar qualquer obstáculo.

“Viva São João” será a Celebração Folclórica. Será um misto de religiosidade, saudosismo, lutas e celebração da vida simples do Brasil, onde a festa de São João surge do culto a Adônis, mito grego que o cristianismo associou ao nascimento de São João Batista. A mãe do santo, Santa Isabel, teria acendido uma fogueira para anunciar o nascimento do filho. E o Boi-Bumbá Garantido também tem sua origem na fé a São João, onde seu criador, Mestre Lindolfo Monteverde, fez uma promessa ao santo e, por ter alcançado a graça, criou o seu boi em louvor à divindade católica. 



Na Lenda Amazônia, entram em cena as “Flechas Serpentes”, crença do povo karajá habitante das margens do rio Araguaia e segundo a qual macacos gigantes atacavam e devoravam os índios pendurando seus ossos em umam árvore colossal. Aguardem: na lenda, um gigantesco macaco invade a aldeia e aprisiona a cunhã-poranga, índia guerreira da tribo. A alegoria que entrará em cena, fantástica, é criação do artista Emerson Brasil e equipe, com 19 metros de altura, 30,4m de boca de cena e nove módulos, com 60 dançarinos do Grupo Porantins, do Município de Maués.    

A Figura Típica Regional são as “Erveiras da Amazônia”, que são recorrentes no cenário cotidiano regional, povoam mercados e feiras populares vendendo e transmitindo todo o conhecimento herdado das populações indígenas sobre as ervas medicinais destinadas à cura das mais diferentes doenças. São as erveiras que mantém viva a tradição da cura pela medicina natural.

O Boi Garantido vai desenvolver em seu ritual os feitos dos índios Mura. Na representação, índios remanescentes de outras tribos, negros e caboclos serão “murificados” formando uma tribo muito diversa e poderosa, onde o pajé invocará  os espíritos da floresta para serem incorporados nos guerreiros.    

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.