Domingo, 25 de Agosto de 2019
LEGADO

Leitos de UTI trazidos para Parintins ficam na cidade após o Festival

Estrutura montada para atender pacientes no Festival vai permanecer na cidade, fazendo com que Parintins seja a primeira do interior a ter leitos de UTI, segundo a Susam



FOTOS_SUSAM___3__463427A7-30A4-4941-B52C-62F7B38D4E1C.jpeg (Foto: Divulgação)
27/06/2019 às 11:45

O 54º Festival Folclórico de Parintins terá uma estrutura reforçada na área de saúde. Neste ano, além do atendimento no Bumbódromo e nos hospitais, um ponto extra foi montado na Balsa ancorada no Terminal Hidroviário da cidade. Depois do festival, o município ficará com os equipamentos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) trazidos pela Secretaria de Estado da Saúde (Susam), tornando-se a primeira cidade do interior do Amazonas a contar com esse tipo de serviço. 

Três leitos de UTI adulto foram montados no hospital Jofre Cohen e cinco neonatais no hospital Padre Colombo. As unidades têm grande fluxo de atendimento porque recebem, além dos moradores de Parintins, pacientes de Nhamundá, Boa Vista do Ramos e Barreirinha, assim como de Juruti, Terra Santa e Faro, no Pará, que também encaminham pacientes para a cidade. 

Dado o fato, a Susam estuda um Termo de Cooperação com a Secretaria de Saúde do Pará (Sespa) a fim de viabilizar o intercâmbio de funcionários e equipamentos para o atendimento na Ilha. O termo deve ser assinado nesta semana.

Ainda em 2019, outras cidades devem receber UTI. A proposta, segundo o secretário executivo adjunto de atenção especializada do interior, Cássio Roberto do Espírito Santo, é desenhar um eixo sanitário nas cidades-polo, o que deve levar atendimento de saúde a 1,5 milhão de pessoas do interior do Amazonas.

“A gente não está só atendendo o festival, a gente está regionalizando a Saúde em um município que é polo e recebe demandas das cidades nos arredores. Hoje, quem precisa de UTI é removido para Manaus, e com a estrutura aqui não será preciso, o paciente vai poder ficar na sua cidade, perto da família. O Estado tem uma grande demanda de UTI aérea e a gente tem que fortalecer a Saúde no interior para que as pessoas possam ter saúde de qualidade no seu próprio território”, diz o secretário executivo. 

Estrutura
Cerca de 60 funcionários da Susam estão na cidade até o fim do Festival e vão oferecer atendimento a moradores e visitantes. A equipe é composta por cirurgiões, intensivistas, ultrassonografistas, neurologista, oftalmologistas, infectologistas, ortopedistas, ginecologistas e obstetras, cardiologistas e anestesistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem com especialização em UTI, motoristas, técnicos em manutenção de equipamentos e técnicos de Central de Medicamentos do Amazonas (CMA). 

Duas ambulâncias também foram deslocadas para a cidade para atender remoções de urgência. Serviços de exames de imagem como tomografia computadorizada, ultrassonografias e imunizações também estão sendo oferecidos. 

Em 2018, 86% dos casos atendidos foram por problemas respiratórios, o equivalente a 1.147 inalações nos hospitais e no Bumbódromo. Em seguida, estão os curativos, com 6,4% dos atendimentos. Desidratação, diarreia, vômito, ingestão de álcool e picos de pressão também são os casos comuns.

Receba Novidades

* campo obrigatório
Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.