Publicidade
Parintins
AUDIODESCRIÇÃO

Pessoas com deficiência visual se emocionam durante Festival Folclórico

Um jovem de 24 anos e um aposentado de 60 anos curtiram a primeira noite do Festival de Parintins pela audiodescrição 30/06/2018 às 03:53 - Atualizado em 30/06/2018 às 10:53
Show cegos agora 1
Helon garante que este ano o Boi Caprichoso será bicampeão (Foto: Márcio Silva)
Amanda Guimarães Parintins (AM)

Em um lugar reservado para pessoas com deficiência, o acadêmico de jornalismo, Helon Coelho, de 24 anos, curtiu o Festival Folclórico de Parintins 2018 na noite desta sexta-feira (29). Utilizando um fone de audiodescrição, o jovem cego se emocionou com a disputa dos Bois Caprichoso e Garantido no Bumbódromo. 

Não é a primeira vez que Helon curte o Festival pela audiodescrição. Mas a alegria é a mesma desde a primeira vez. “Venho curtir o Festival desde 2013. Todo ano é uma alegria, graças a esse espaço reservado para pessoas com deficiência. Fico muito feliz de conseguir participar de tudo isso. Consegui entender tudo pelo audiodescrição”, disse o jovem.

Desde pequeno, o sonho do rapaz parintinense era conseguir participar de um evento no Bumbódromo. Ele conseguiu realizar o desejo e não deixa de curtir um ano sequer o Festival Folclórico. “Eu não enxergo 2%. Mas a minha audição vem se aguçando cada vez mais. A música para mim é tudo e só de conseguir ouvir essas toadas me emociono demais. Sou parintinense e tenho certeza que a vitória será do Caprichoso este ano”, afirmou Helon.

Próximo de Helon, o aposentado Renato Quadros, 60, curtiu pela primeira vez o Festival de Parintins por audiodescrição. Ele participava de todos os eventos no Bumbódromo, mas por conta de um infarto acabou perdendo a visão e precisou mudar de rotina. 

“Essa é a primeira vez que curto o Festival sem conseguir ver nada. Sofri um infarto e não enxergo mais. Eu vi a construção desse Bumbódromo e hoje ele está completando 30 anos de história. Fico feliz, porque faço parte de tudo isso. Me emocionei muito durante a apresentação de hoje. Agora sou cego, mas consegui sentir os bois na Arena”, completou.

Publicidade
Publicidade