Publicidade
Parintins
AMOR SEM DISTÂNCIA

Por amor ao Garantido, família de torcedores atravessa rio diariamente para ensaiar no boi

Conheça a história da família que mora na histórica comunidade rural Vila Amazônia e vem diariamente, de barco ou balsa, para ensaiar no Curral da Cidade Garantido 26/06/2018 às 10:53 - Atualizado em 26/06/2018 às 16:58
Show galera
Ana Cláudia e sua família chegando de balsa para ensaiar na Cidade Garantido: amor e paixão pelo boi vermelho e branco não mede distâncias /Foto: Márcio Silva
Paulo André Nunes Parintins (AM)

O amor pelo Boi Garantido não tem limites para a galera vermelha e branca, que não mede esforços para ver sua associação folclórica na arena. E não há distância que os separe. A dona de casa Ana Cláudia Vasconcelos, 43, e sua família são assim: ela e mais seus dois filhos, Ana Clara, 12, e Pedro Pimentel, 18, moram na histórica comunidade rural Vila Amazônia e vêm diariamente, de barco ou balsa, para ensaiar no Curral da Cidade Garantido.

Eles são integrantes da torcida organizada Comando Garantido e pegam a embarcação por volta das 18h, atravessando o rio numa viagem que dura aproximadamente 45 minutos, e desembarcando em Parintins no porto da Francesa, ao final da avenida Paraíba. Detalhe: o local é reduto do Caprichoso, mas nada que atrapalhe o trio, que ainda tem a companhia do também integrante do Comando, Murilo Souza, 18.

Por barco, eles pagam R$ 4 por pessoa para a travessia feita pela embarcação Nossa Senhora de Lourdes. Quando o dinheiro aperta, o jeito é, segundo Ana Cláudia, pedir uma carona no barco. Aos domingos, não tem jeito: é a balsa o único transporte disponível numa locomoção que é gratuita.

Mas a aventura dessa turma de fé não para por aí. Ao chegar ao Porto da Francesa, eles andam mais cerca de 30 minutos, a pé, até a Cidade Garantido, para aguardar o ensaio da torcida, que geralmente começa entre as 20h e às 21h. Ao final, por volta de 23h, eles voltam novamente a pé, como numa peregrinação religiosa, ao Porto da Francesa, para pegar novamente o motor ou a balsa. Quando não conseguem retornar à Vila Amazônia, o quarteto dorme na casa de uma das filhas de Ana Cláudia.

Essa verdadeira prova de amor ao Garantido é feita por Ana Cláudia e Ana Clara há 8 anos, tempo que ela integra o Comando, e depois o filho e o amigo as seguiram.


Animação e alegria são marcas de dona Ana Cláudia e sua família pelo Comando Garantido/Foto: Euzivaldo Queiroz 

“Faço tudo isso por amor pelo meu Boi Garantido. É isso que nos move sempre. O nosso boi é tudo para mim. Quando minha mãe era viva, a dona Maria de Lourdes, nunca deixou a gente torcer por outro boi que não fosse o nosso Garantido”, exprime ela, destacando que vai continuar a fazer todo esse esforço pelo boi até “quando não puder mais”.

O marido de Ana Cláudia é soldador do Garantido e se chama Luiz Afonso – diferente da família, ele deverá estar dentro da Arena do Bumbódromo nos três dias de apresentação.   

Mais tímida, a pequena Ana Clara, resume seu sentimento em poucas, mas significativas palavras: “O Garantido é muita emoção. Não tem explicação”.

Nos dias 29, 30 e 1º de julho, todos eles estarão na arquibancada vermelha do Bumbódromo, para cantar, gritar, bater palmas, levantar os braços para o ar e torcer como nunca como item oficial que são. Afinal, o que vale é amor e a paixão pelo boi.

Publicidade
Publicidade