Publicidade
Rio 2016
Doping Russo

A menos de um dia da abertura da Olimpíada, COI ainda analisa casos de doping

No início da tarde desta quinta-feira (4) o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, concedeu entrevista onde voltou a falar sobre a polêmica envolvendo os casos de doping no ministério de esportes russo. 04/08/2016 às 17:23 - Atualizado em 04/08/2016 às 18:40
Show bach
Na coletiva, o Presidente do COI fez questão de afastar as questões políticas ao justificar as sanções que podem ser adotadas. (Foto: Divulgação)
Valter Cardoso Rio de Janeiro (RJ)

A apenas um dia da abertura oficial dos Jogos Olímpicos Rio 2016, os atletas russos que vão participar da competição ainda não foram definidos. Em coletiva a imprensa, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, também deu informações sobre o resultado da última reunião da entidade, mas a polêmica envolvendo a delegação da Rússia voltou a ser o assunto do dia.

“Tivemos que seguir as regras da justiça. Isso destruíria o sistema de justiça. Todos têm a presunção da inocência, mas nesse caso, as alegações tinham um peso tão grande e eram tão bem detalhadas que esses princípios não poderiam ser aplicados inteiramente”, explicou Thomas Bach.

Questionado pelos jornalistas russos sobre a participação política nas decisões, o presidente do COI negou qualquer interferência externa nas decisões do Comitê.

Apesar da recomendação da Agência Mundial Antidoping (Wada) de banir toda a delegação russa, o COI optou por analisar cada caso individualmente pela Corte Arbitral do Esporte (CAS) e por uma comissão de três membros do próprio COI. A decisão desse painel, deve sair ainda nesta quinta-feira. Independente dos nomes, o Bach deixou um recado.

"Não vamos evitar emitir novas sanções e novas medidas sempre que for necessário em casos de doping" finalizou o presidente do COI.

Publicidade
Publicidade