Terça-feira, 12 de Novembro de 2019
Estratégia

Jogadores comentam a vitória contra a Rússia e se dizem prontos para a final

O Brasil espantou o fantasma russo das últimas Olimpíadas e agora enfrenta a seleção da Itália



brasel.jpg Aos gritos de "O campeão voltou", o Brasil foi embalado pela torcida no Maracanãzinho. Foto: Divulgação
20/08/2016 às 08:58

 Foram 3 sets a 0 contra um adversário que conseguiu uma virada histórica e conquistou o ouro em Londres. Mas o Brasil não deu chances para o azar e conseguiu se sobressair.

Perguntado se em algum momento do jogo havia lembrado da final em 2012, Lucão afirmou que no terceiro set foi a hora em que a lembrança ficou mais viva do que nunca.



“Eu pensei um pouquinho no terceiro set quando estava 5 a 1 para a gente e eles empataram 7 a 7 e eu ‘de novo não, esse terceiro set desgraçado’. Mas hoje foi tudo bem e a gente conseguiu fazer uma boa partida. Consequência de uns breaks do Wallace seguidos e a gente conseguiu manter a sequência até o final. A gente não esquece (da final Olímpica em 2012). Estava com uma vantagem muito boa, a medalha praticamente no peito e eles viraram”, declarou.

O levantador William destacou a inteligência do grupo na partida, o que garantiu a vitória para as finais. “A gente estava jogando com inteligência hoje. Talvez tenha sido o jogo que a gente tenha sido mais inteligente com o adversário que a gente jogou. A gente sabia do poder ofensivo deles. O time foi consciente o tempo todo de que tinha que enfrentar. Fizemos um jogo extremamente inteligente”, contou.

Que venha a Itália

O adversário agora é a Itália, adversário que derrotou o Brasil na primeira fase. Lucão sabe que é difícil, mas mostra que conhece bem o adversário e afirma que o forte grupo italiano cresceu ainda mais nos Jogos.

“A gente sabe que é um adversário difícil, mas no final do set eles estão conseguindo decidir bastante por causa do saque deles e a gente tem que tomar cuidado com isso. Todos os jogadores evoluíram, mas principalmente hoje, o Zaytsev fez a diferença. Eles cresceram muito nessa Olimpíada. É um time que joga muito bem, é regular, o melhor que eu já vi jogar nesses Jogos. Muito certinha e complicada, mas a gente cresceu no momento certo, na hora certa e vai dar bastante confiança pra gente fazer uma boa final”, ressaltou.

Sobre uma possível vingança com a Itália por uma possível entregada para o Canadá na primeira fase, o que complicou a vida do Brasil no grupo, Lucão disse que isso é passado.

“Mas eles falam também. Encheram o nosso saco na Liga Mundial, quando colocamos o time reserva. Falaram na internet. Em 2010 viraram de costas pra gente. Fala a nossa torcida, fala a torcida deles e fica por isso mesmo. Não tem o que fazer”, explicou.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.