Publicidade
Rio 2016
Falso assalto

Multa de atleta 'mentiroso' vai para pequenos atletas brasileiros

James Feigen, norte-americano que pagou a multa, estava com outros três atletas estrangeiros medalhistas da Rio 2016 que inventaram ter sido assaltados para tentar esconder confusão em posto de gasolina 19/08/2016 às 14:35 - Atualizado em 19/08/2016 às 14:58
Show nadadores
Atletas foram flagrados por câmera de segurança fazendo bagunça e quebrando banheiro em posto
Douglas Corrêa - Agência Brasil Brasília (DF)

A juíza Tula Corrêa de Mello, do Juizado do Torcedor e dos Grandes Eventos do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, determinou na madrugada desta sexta-feira (19) que o nadador norte-americano James Feigen, envolvido no episódio do falso assalto, realizasse o pagamento de uma multa de R$ 35 mil, valor que será destinado ao Instituto Reação, que promove o desenvolvimento humano e a inclusão social por meio do esporte.na Freguesia, em Jacarepaguá, zona oeste da cidade. 

O valor foi pago, o atleta teve o passaporte liberado e já retornou aos Estados Unidos.

Feigen, o nadador Ryan Lochte e os também atletas Joseph Gunnar Bentz e John Peet Conger denunciaram um falso comunicado de roubo na madrugada do último domingo (14). Na verdade, eles tinham passado a noite numa festa e ao voltarem para a Vila dos Atletas acabaram se envolvendo num tumulto com os seguranças de um posto de gasolina, na Barra da Tijuca, onde urinaram no chão e criaram uma grande confusão no estabelecimento comercial.

Na decisão, a juíza Tula de Mello, determinou como proposta da transação penal o Instituto Reação “e aplico a multa proposta pelo Ministério Público, na forma de transação penal, condicionando sua homologação ao devido cumprimento”, determinou a magistrada.  Ainda de acordo com a juíza, o nadador formalizou na audiência seu pedido de desculpas ao Brasil.

“Fica consignado, finalmente, a retratação formal do autor do fato, que pede desculpas à nação e às autoridades que se mobilizaram para elucidação do caso, servindo a presente assentada como meio de divulgação do pedido, que ora torna público”, informou trecho da decisão.

Na noite dessa quinta-feira (18), a juíza determinou a devolução dos passaportes de Joseph Gunnar Bentz e John Peet Conger, após eles prestarem depoimento na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat), na zona sul do Rio.

Instituto Reação

Criado pelo medalhista olímpico Flávio Canto em 2003, o Instituto Reação é uma organização não governamental que promove o desenvolvimento humano e a inclusão social por meio do esporte e da educação, fomentando o judô desde a iniciação esportiva até o alto rendimento.

A proposta é utilizar o esporte como instrumento educacional e de transformação social, formando faixas pretas dentro e fora do tatame. A judoca Rafaela Silva, 24 anos, ouro olímpico, é atleta do Instituto Reação e moradora da Cidade de Deus.

Localizado na Freguesia, em Jacarepaguá, zona oeste da cidade, o Instituto Reação trabalha com a missão de promover o desenvolvimento humano por meio do esporte e da educação e transformar o conceito de responsabilidade social em ação na vida do maior número de pessoas, integrando diferentes classes sociais pelo esporte.

Cerca de 1,2 mil crianças, adolescentes e jovens a partir de quatro anos são beneficiados em cinco polos – Rocinha, Cidade de Deus (Jacarepaguá), Tubiacanga, Pequena Cruzada e Deodoro.

Publicidade
Publicidade