Liberdade

Cingapura vai descriminalizar sexo entre homens

Governo da cidade-Estado, porém, ainda rejeita legalizar casamento entre pessoas do mesmo sexo

DW Brasil
22/08/2022 às 07:34.
Atualizado em 22/08/2022 às 07:34

(Foto: AFP)

O primeiro-ministro de Cingapura, Lee Hsien Loong, anunciou neste domingo (21/08) que seu país revogará uma lei colonial que criminalizava as relações sexuais entre homens. Por outro lado, também afirmou que o governo vai continuar "defendendo" a ideia que o casamento é somente entre um homem e uma mulher. Ou seja, o casamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é rejeitado pela liderança do país de 5,5 milhões de habitantes.

"O governo vai revogar [a lei] e descriminalizar o sexo entre homens. Acho que é a coisa certa a fazer, e algo que a maioria dos cingapurenses aceitará agora", disse Lee em um discurso;

Lee acrescentou que os costumes mudaram desde 15 anos atrás, quando o governo decidiu que a lei deveria permanecer em vigor.

Os homens homossexuais "agora são mais aceitos" localmente, especialmente entre os jovens de Cingapura, disse ele. A revogação "colocará a lei em sintonia com os costumes sociais atuais e espero que dê um respiro aos cingapurenses gays", disse Lee.

A lei, herança da época colonial britânica, prevê que relações sexuais entre homens podem ser punidas com até dois anos de prisão — embora não se saiba de condenações recentes. A lei não prevê punições para sexo entre mulheres. De acordo com o atual Código Penal da cidade-Estado, a homossexualidade é considerada um "ultraje contra a moral pública". Não ficou claro quando a lei será revogada

Ativistas dos direitos homossexuais há muito tempo argumentam que a lei colidia com a cultura da cidade-Estado cada vez mais moderna e, no passado, entraram com dois ações judiciais para derrubá-la, sem sucesso. Em junho, milhares de pessoas reclamaram um melhor reconhecimento dos direitos dos homossexuais no país, depois de, em fevereiro, o Supremo Tribunal ter mantido o artigo que criminaliza a homossexualidade.

Ainda assim, Lee afirmou que o governo está ciente de que "a maioria dos cingapurenses não quer que a revogação [da lei] leve a uma mudança drástica em nossas normas sociais", incluindo a definição de casamento e como o casamento é ensinado nas escolas.

"Portanto, mesmo que revoguemos [a lei], vamos defender e proteger a instituição do casamento", disse ele, lembrando que, sob a lei atual, Cingapura "só reconhece os vínculos matrimoniais entre um homem e uma mulher".

Com o anúncio deste domingo, Cingapura se torna a mais recente nação asiática a tomar medidas para diminuir o impacto da discriminação contra pessoas LGBTQ+. Em 2018, a Suprema Corte da Índia derrubou uma proibição da era colonial às relações entre pessoas do mesmo sexo.

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
Portal A Crítica - Empresa de Jornais Calderaro LTDA.© Copyright 2023Todos direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por