Publicidade
Sim & Não

A campanha do ‘adultério partidário’

31/07/2017 às 22:11 - Atualizado em 31/07/2017 às 23:13
Show governadores

A atual disputa pelo comando do governo do Estado é, sem sombra de dúvida, a de maior promiscuidade partidária já vista no Amazonas. A infidelidade às claras alcança quase todos os partidos. O PMDB tem Eduardo Braga como candidato, mas peemedebistas apoiam Amazonino Mendes (PDT), que, por sua vez, tem o apoio formal do PSD. Os principais membros do PSD, entretanto, estão no palanque de Rebecca Garcia. Com o PT e o PR não é diferente.

Rebelião  No caso do PMDB, os deputados Wanderley Dallas e Vicente Lopes não estão nem aí para a campanha de Eduardo Braga. No PR, Sabá Reis não só ignorou a campanha de Braga, que tem como vice Marcelo Ramos (PR), mas faz intensa campanha para Rebecca.

Crioulo doido  Também em favor de Rebecca, David Almeida e mais dois deputados atuam contra a eleição de Amazonino, que é apoiado pelo partido. Ainda no PSD, o deputado federal Átila Lins apoia a campanha do PMDB. No ninho petista, o prefeito e o presidente da Câmara de São Gabriel da Cachoeira apoiam Amazonino.

Combate  A semana iniciou com um confronto direito entre o governador David Almeida e o prefeito Artur Neto (PSDB), que, ao trocarem farpas, expuseram não só as fragilidades de ambos, mas as negociatas do meio político e jurídico.

Cabo-eleitoral  Na carta a  Ricardo Lewandowski, em que diz que David Almeida usa o nome do ministro para garantir que não haverá eleições diretas, Artur Neto revela: “Escrevo-lhe, caro ministro, convicto de que agi acertadamente ao recebê-lo em meu gabinete de senador e em articular votos que o guindaram à mais elevada corte deste país”.

‘Desnecessário’ Ontem, antes da réplica  de David Almeida, pessoas ligadas as ele distribuíram um meme que dizia: “Prefeito dominhoco” e uma frase do governador: “Vou responder a carta dele às 4 horas da  tarde, que é a hora que ele acorda para trabalhar”. Em sua resposta, David afirma que Artur expôs Lewandowski “desnecessariamente”. 

Arrasta-pé  Enquanto a boataria sobre a saúde de Amazonino Mendes rolava solta, ontem, ele dançava forró com a primeira-dama Elisabeth Valeiko, em evento no Dulcila. Artur aplaudiu. Em dado momento, eles dançaram a três.

Fim  O vereador Marcelo Serafim (PSB), candidato ao governo,  disse à TV A Crítica, ontem, que, se eleito, acabará com a tributação “extra” de ICMS sobre bens supérfluos, aprovada este ano na Assembleia Legislativa do Estado (ALE/AM). 

Injustificável  “Esse fundo, que é gerido pela primeira-dama, tem que deixar de existir. Quem faz ação social é a Secretaria de Ação Social. Você não tem que ter a primeira-dama, nem no Estado nem no Município, tendo recursos para fazer política. Temos que fazer política de ação social e não fazer política com a ação social, com a miséria das pessoas”, disparou Marcelo.

Desembargo  A análise das contas da gestão de Ricardo Nicolau como presidente da ALE/AM, exercício 2012, mudou de relator. O conselheiro Júlio Pinheiro, que segurou o processo durante anos, passou a bola para a conselheira Yara Lins. Inúmeras irregularidades  poderão acarretar na reprovação das contas.