Sábado, 16 de Janeiro de 2021
Editorial

A conta de luz e a resposta do Governo


fatura_2_3012B684-A9D6-4BEF-A816-17830EDA8EBD.jpeg
03/12/2020 às 06:40

A missão das autoridades constituídas entre os poderes executivo, legislativo e judiciário, em sistemas democráticos, consiste em zelar pelo bem da população que representam. A ideia de bem vincula-se à qualidade e à sensibilidade de perceber e agir coletivamente, ganha importância nos processos governamentais quando o governar se coloca em conduta ativa para assegurar vida digna aos governados.


O que ocorre no Brasil de agora é a negação violenta do bem a maioria dos brasileiros. A resposta dada pelo presidente da República sobre o reajuste do preço da energia elétrica é lamentável, e, pior, de quase inércia administrativa. Como permitir que reajuste na conta de energia elétrica exatamente neste momento? Desde o dia 1º de dezembro, os consumidores brasileiros terão que arcar com uma taxa extra, no valor de R$ 6,24, a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Uma série de reajustes foram feitos ao longo do ano e, a adoção da bandeira vermelha, no patamar 2, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), é um duro golpe aos usuários do sistema.


A resposta dada pelo presidente da República demonstra postura alheia do governo ao drama de milhares de brasileiros desempregados (mais de 14 milhões de acordo com os dados oficiais) e ou subempregados que não já enfrentavam problemas sérios para pagar o preço dos alimentos, dos remédios, do gás de cozinha e da energia   reajustados em elevados porcentuais.


No mínimo, esperava-se do chefe da nação brasileira alguma sinalização de que providências estavam sendo tomadas para minimizar o arrocho sobre as famílias brasileiras. Dizer que se aumenta o preço ou se terá apagões é muito pouco diante do tamanho da crise que os brasileiros estão passando. Os estudos, os indicadores mais especializados e o trabalho técnico na formação de cenários deveriam ter sido avaliados pela Presidência da República e alternativas menos perversas terem sido adotadas. O Sistema Nacional de Energia Elétrica e a ANEEL devem ter outras funções além de repassar informes sobre a situação e recomendar aumentos nos valores cobrados dos consumidores. Dessa forma, o que se constata a conduta empresarial de pouca responsabilidade por parte do governo e dos dirigentes dos órgãos governamentais nesse setor. As perguntas são: como a maioria dos brasileiros irá conseguir recurso financeiro para bancar o valor da conta de luz? O que será feito com essas pessoas?
 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.