Publicidade
Editorial

Ano novo com finanças em dia

06/01/2019 às 00:34
Show show elei  es a1aa70ca 3b62 460b 9a6d 13a8935f3355

Todo início de ano é a mesma coisa: as pessoas se enchem de motivação para as famosas resoluções de Ano Novo. Emagrecer, viajar, casar, sair de casa... Não falta disposição para correr atrás de metas há muito almejadas, mas que ainda não foram atingida por motivos diversos. O que muitos ignoram é que os objetivos - quaisquer que sejam - ficam distantes se a situação financeira pessoal não estiver equilibrada. A saúde das finanças deveria estar entre as principais metas - não apenas de Ano Novo, mas de Carnaval, de Natal... de todos os dias. 

Mas, como todo grande objetivo, colocar as contas em dia é algo que não pode ser alcançado sem planejamento criterioso. A receita nem é tão complexa: resume-se, basicamente, em traçar um diagnóstico das receitas, das despesas e das dívidas, seguida de corte de gastos e renegociação das pendências. 

O problema é que essa parte inicial nem sempre é fácil de executar; significa abrir mão de coisas que queremos. Mas não tem outro jeito. Se não há projeção de uma fonte adicional de receita - um trabalho extra nas horas vagas, uma mudança de emprego, um aumento de salário - o corte de gastos é inevitável. Será preciso cancelar viagens, idas ao restaurante, ao barzinho com os amigos, a renovação do guarda-roupas etc. Não adianta constatar que é preciso gastar menos, é preciso agir como se fosse um governo responsável e estabelecer quanto se pode gastar com cada coisa. E o mais difícil: cumprir essa determinação. 

Uma dica comum dos especialistas parece um tanto radical, mas às vezes é mesmo necessária. Há pessoas que realmente não têm autocontrole necessário para ter um cartão de crédito. Quem está nessa situação, precisa reconhecer isso e deixar o cartão de lado. Um dos pontos principais é ter a exata noção do padrão de vida que se pode ter de acordo com a própria renda. Querer exibir um padrão que não corresponde à realidade é caminho certo para o desastre financeiro.   

O fato é que, com disciplina e determinação, é perfeitamente possível, no médio prazo, restabelecer a saúde das finanças pessoais. Tão importante quanto isso, é mudar a postura enquanto consumidor. Reconhecer as razões que levaram à situação de desequilíbrio e tomar cuidado para não voltar às mesmas dificuldades.