Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020
Editorial

Aos Pais


pais1_E8D96635-FE67-43F5-9E2A-CE7E93D5F931.jpg
09/08/2020 às 06:30

São variadas as datas comemorativas do Dia dos Pais no mundo, a maioria delas tem história recente. Igualmente diversificadas as motivações originárias da data, do gesto de gratidão ao pai pela criação solitária dos filhos aos arranjos da propaganda e da publicidade para o mercado faturar mais.

No Brasil, a ideia mais difundida está afeita ao lugar do pai no mercado e data de 1953, firmando-se, posteriormente, no segundo domingo de agosto. No meio dessas disputas de significados, é impossível ignorar o forte efeito mercadológico da figura paterna, naturalizado pelas sociedades capitalistas em todo o mundo, como ocorre com a maioria dos eventos comemorativos.

Outras mensagens entram em ação, aquelas vinculadas às literaturas religiosas, as das novas modelagens de famílias e dos afetos, e como expressões das lutas e conquistas de inúmeros movimentos sociais. Nesse emaranhado, a figura paterna vem sendo reelaborada a partir de exemplo de cuidado com os filhos, do acompanhamento, do zelo e de responsabilidades complexas. É possível perceber um pai que se forja nesse meio conflituoso como pessoa portadora de direitos e de deveres, aprendendo a superar modelos que enquadravam e enquadram a ideia de pai à força, à masculinidade e machismo que caminham em parceria com a violência.

A experiência de pai que aqui é ressaltada é a daquele homem guardião, atencioso, parceiro e disposto a contribuir com a formação de pessoas honestas, éticas e justas, seus filhos, biológicos ou não, os de coração. A propaganda não consegue encobrir a presença desse pai, comum no Brasil, no Amazonas. Os pais de um e de muitos, os pais por afinidades afetuosas, pela compreensão de que a presença humana na terra não se encerra no individualismo existencial e sim no compartilhamento de tarefas e dos cuidados na arte de viver. São homens que abandonaram e estão em permanente disposição de abandono dos estereótipos da masculinidade para se colocar na vivência da paternidade responsável e do aprendizado em perceber o que é fundamental nesse convívio delicado.

Nossas homenagens aos pais que como carpinteiros modelam, diariamente, a obra da criação humana, seus filhos, para que no caminhar pelo mundo sejam portadores das boas ações e da importância de valorizar a dignidade humana.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.