Publicidade
Editorial

As possibilidades do País

07/06/2016 às 22:38
Show bandei

A busca por mudanças que possam assegurar à atividade pública exercida por meio da outorga de mandatos experimenta testes pesados no Brasil. A cada dia, a publicação de parte de conteúdos amplia o tamanho da colcha em que membros dos poderes instituídos se acobertavam e se acobertam.

As informações, por vezes viciadas ou comprometidas com interesses outros ao contrário de serem sintoma de uma anomalia e de reforço à repetição da velha frase de que o Brasil não tem jeito apontam outras possibilidades. Não se fará revolução naquele sentido mais ensinado. O que está ocorrendo é uma experiência portadora de capacidade tanto para retomar as institucionais dando a elas a função que devem ter na vida estatal e, dessa forma, retomar a ideia de valorização dos servidores públicos, todos eles,  e da probidade administrativa. Ou, de outro modo, costurar um pacto para impedir avanços e manter inalterada a cultura de troca de favores por meio do qual a corrupção se   alimenta e se espraia. 

Os acordos para explorar determinados aspectos e acomodar outros estão sendo acionados. Mexem com interesses grandes para além da fronteira nacional e justificam as cenas mais patéticas como as que puderem ser vistas ontem na Comissão de Ética da Câmara dos Deputados que trata do 'Caso Eduardo Cunha'. Também nas performances de vários atores  envolvidos direta ou indiretamente na Lava Jato. A sociedade tem peso e papel fundamentais, o de acompanhar, ativamente, os atos em execução, exigir transparência e acesso às informações e se posicionar acatando os acordos e, desse modo, pronunciando um sim a eles; ou rejeitando-os.

Em meio a crise ética da política em torno da qual se agarra o processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff os acertos estão sendo feitos livremente, com listinhas de deputados para conseguir obter vantagens em um outro cenário, o de do presidente interino Michel Temer. As denúncias envolvendo mais da metade do primeiro escalão do governo interino pipocam enquanto as exigências de acomodação dos apadrinhados continuam em ritmo acelerado. É como se nada tivesse ocorrido.  Determinados setores necessitavam somente substituir o comando na Presidência da República para ajustes. Os brasileiros estão descobrindo que os ajustes a serem feitos, para funcionar, precisam ser mais profundos e abranger outros setores, outros atores. Eis uma oportunidade ímpar de realização do grande balanço.