Publicidade
Editorial

Assaltos em ônibus desafiam

10/09/2017 às 18:45 - Atualizado em 10/09/2017 às 18:47
Show show bbb007ce 424e 404e 93dd 0b51e70d0c31

Em um período inferior a 24 horas foram registrados em Manaus, na última semana, 10 assaltos a ônibus. É um número elevado que expõe a falta de controle do setor de segurança no segmento transporte público. Os assaltos em ônibus são recorrentes na cidade e avançam para se tornarem um tipo de crime considerado banal.

Todos os dias, trabalhadores desse meio de atividade e passageiros em algum ponto de Manaus são vítimas de assaltantes. O que é feito em seguida? Algumas vítimas tentam superar o medo e seguir adiante; outras passam a conviver com o pânico; e ouras são mortas. A situação a que chegou a insegurança no uso de transporte público na cidade é crítica. Pior  que os assaltos é a falta de tomada de posição por parte das autoridades para dar um basta e desenvolver de forma permanente um sistema de vigilância e prevenção que ofereça à população usuária de ônibus tranquilidade para ir e vir.

Matéria de A CRÍTICA, de 6 de setembro, relata parte do drama vivido por passageiros e trabalhadores assaltados dentro do ônibus ou nos pontos. E mostra que sobre o drama vivido poucos se importam e, mais ainda, que as autoridades públicas se arrastam até uma ação que intervenha nesse quadro de pavor. É como se as vidas de motoristas, cobradores e de passageiros de ônibus não tivessem nenhuma importância e o Estado tenha decidido há tempo ignorar tamanho sofrimento.

Pergunta-se qual é o número de assalto e de vítimas que serão necessários para o assunto ser tratado com mais importância e agilidade? Empresários do setor e os governos precisam se mobilizar de fato para traçar e executar um plano de ação capa de produzir maior segurança nesse segmento. Superar a instabilidade a qual o sistema de transporte público da capital foi submetido é uma necessidade imediata. O nível de insegurança instalado nessa atividade alcançou grau elevado e poderá ficar pior com revoltosos agindo por conta própria para tentar fazer justiça.

Os registros feitos dos casos reúnem uma série de informações valiosas para o enfrentamento dos grupos de assaltantes e o desenvolvimento de ações educativas que irão ajudar os usuários a ampliar atitudes de prevenção.