Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2021
Editorial

Atentado contra o futuro do País


onibus-escolar_38241326-2E12-414C-899A-4048BE07649B.jpg
24/11/2020 às 07:26

O transporte escolar é um dos maiores desafios para a educação no interior da Amazônia, devido a fatores como longas distâncias, estradas precárias, logística complexa envolvendo deslocamento por rios e igarapés, entre outros. Como se não bastassem esses fatores, no município de Presidente Figueiredo, ao que parece, também há o peso da corrupção. A operação Ponto de Parada, da Polícia Federal, investiga indícios de superfaturamento na contratação de serviços de transporte escolar em 2017 naquele município. O esquema, segundo as investigações, teria desviado mais de R$ 5,7 milhões que deveriam ser aplicados em serviços de transporte e aquisição de combustível.


De acordo com a Polícia Federal, a empresa atuava apenas como intermediária, subcontratando outra empresa e causando um superfaturamento milionário com recursos federais, já que o dinheiro vem do Pnate (Programa Nacional de Transporte Escolar) e do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).


Tanto o Pnate quanto o Fundeb existem para ajudar a custear a educação no País. Na própria Assembleia Legislativa do Amazonas, vozes já se levantaram para defender repasses diferenciados ao Estado em função de suas peculiaridades. O cálculo usado para distribuição do Pnate, por exemplo, não leva em conta as enormes distâncias amazônicas, que exigem despesas muito maiores em relação a Estados com logística menos complexa. Essa defesa, absolutamente legítima, fica prejudicada pela situação apontada pela Polícia Federal em Presidente Figueiredo, além de levantar uma grande dúvida. Onde mais essa prática criminosa é aplicada? Em que outros municípios o dinheiro que deveria ser usado para melhorar a qualidade da educação é desviado para o enriquecimento ilícito de alguns? É claro que será assegurado o contraditório e a ampla defesa a todos os envolvidos. O que a sociedade espera é que o processo ocorra de maneira célere e que os responsáveis – com ou sem mandatos - sejam punidos, inclusive, devolvendo o produto da atuação criminosa. Roubar recursos da educação é um atentado contra o futuro do País.
 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.