Publicidade
Sim & Não

Braga e a velha autopromoção de sempre

20/04/2016 às 23:04
Show bcvbcvb

No melhor estilo Eduardo Braga (PMDB), o agora ex-ministro de Minas e Energia se despediu da pasta, em carta endereçada à presidente Dilma Rousseff, fazendo apenas elogios a si mesmo, e ao trabalho que desenvolveu no governo, sem nenhuma palavra de solidariedade à petista e nem qualquer menção ao período turbulento que ela vive, diante do impeachment. Aliado de primeira hora, Braga abandona Dilma no momento mais agudo da crise.

Orgulhoso 

Na menção que faz a Dilma, no texto, Eduardo Braga diz que ela “sempre acompanhou de perto todo o esforço e o trabalho intenso que desenvolvemos”. E acrescenta: “Hoje temos o orgulho de dizer, que mesmo em meio ao agravamento da crise econômica, o setor elétrico continua sendo atrativo ao investidor”.

Eficiência 

Na carta, que tem  quatro laudas, Braga fala dos investimentos, avanços e da resistência do ministério de Minas e Energia diante da crise. “Se a pergunta recorrente no início de 2015 (quando ele assumiu) era “quando vai ser decretado o racionamento”, a dúvida hoje é “quantas usinas termelétricas serão desligadas no próximo mês”.

De olho  

A saída de Braga do ministério provocou efeitos no Amazonas. O grupo ligado ao governador José Melo (Pros) diz estar ciente de que o foco dele, agora, é a cadeira de governador do Estado, custe o que custar. Por isso, as movimentações aqui e, especialmente, em Brasília, já se intensificaram. 

Fôlego 

A vitória parcial de Melo no TRE/AM, ao conseguir, nesta quarta-feira, por meio de liminar, a suspensão do julgamento de outra ação que pede sua cassação, animou os aliados do governador.

Calendário  

O desembargador Mauro Bessa, relator do caso, que já havia se manifestado em favor da cassação, vai deixar o posto de corregedor do TRE/AM, no início do próximo mês e, diante das datas das seções de julgamento da Corte, em maio, não terá mais tempo hábil, em tese, de atuar no caso.

Cautela 

“Todos sabem que sou favorável ao impeachment. Mas é preciso responsabilidade na condução do processo. A pressa pode levar à judicialização. Os prazos têm que ser cumpridos. Não é em 24 horas que vamos resolver o problema do Brasil”. Do senador Omar Aziz (PSD), pregando calma no processo.

Confirmação 

A Prefeitura de Parintins tentou desmentir a notícia de que o concurso organizado pelo município havia sido cancelado. Atribui as informações a boatos. Até que uma nota do Tribunal de Contas do Estado (TCE) confirmou que o certame está suspenso, sim, por problemas no edital.

Redução 

Diante da decisão liminar que manteve a tarifa de ônibus a R$ 3, o Sinetram avisou: vai buscar alternativas para reduzir os custos. O usuário, como sempre, é quem deverá sofrer as consequências.

Socorro 

Pacientes renais do SUS, atendidos em duas instituições privadas de Manaus, dizem que estão há dias sem receber tratamento. As empresas alegam que não estão mais sendo ressarcidas pela prestação do serviço. Os doentes apelam que a Susam resolva as pendências.