Publicidade
Editorial

Carnaval com animação redobrada

04/02/2018 às 20:51 - Atualizado em 04/02/2018 às 20:51
Show carnaval

O fim da crise econômica –  ou pelo menos, a reversão dos fatores que levaram a ela – já é um fato  percebido por quem acompanha o cenário macroeconômico do País. E é um fato natural, algo que ocorreria independentemente da pessoa que ocupa a presidência da República, embora atos da administração possam retardar seus efeitos. Como os economistas gostam de ilustrar em gráficos, é um movimento em “onda”, onde a parte mais baixa da última curva já passou. Estamos na fase de ascensão e ainda há muito para crescer até chegarmos novamente aos níveis de aquecimento econômico do período pré-crise.

O governo de Michel Temer, é claro, reclamará para si os louros da vitória e se beneficiará da recuperação da atividade econômica até mesmo com provável aumento da popularidade do presidente, que já é um dos mais impopulares da história. Na verdade, o fato de ter sobrevivido a dois pedidos de investigação que poderiam tê-lo afastado da Presidência, e de não ter visto toda sua impopularidade convertida em protestos nas ruas, mesmo com polêmicas como a reforma trabalhista, dão ao governo federal o direito de comemorar. Os aspectos morais dos meios usados por Temer para se manter no poder serão julgados oportunamente pela Justiça e pela história.

O que importa é que os tempos mais difíceis dos últimos anos já ficaram para trás. O povão vai perceber isso com clareza, quando o desempregado conseguir uma recolocação, quando o lojista perceber que a alta no faturamento é duradoura, quando os empresários que se mantiveram firmes na Zona Franca começarem a contratar diante do aumento nas encomendas.

Para o Amazonas como um todo, a crise só passará de fato quando as fábricas do Polo Industrial de Manaus (PIM) retomarem as contratações em peso. Isso já começou; as empresas da Zona Franca fecharam o ano passado com mais de 70 mil empregos diretos. Ainda está longe dos 120 mil que o Distrito Industrial empregava há cinco anos, mas vamos chegar lá. A ZFM é o motor da economia local, se ela vai bem, o comércio vai bem, assim como o setor de serviços. Isso ainda vai demorar mais alguns meses, mas, de forma geral, já podemos respirar aliviados. As projeções positivas do ano passado já começam a se materializar, segmentos como locação de veículos já trabalham com expectativa de crescer 20%, enquanto o comércio se anima com projeção de vender 5% a mais apenas no período de Carnaval. Finalmente, após vários anos, o Brasil tem bons motivos para festejar o Carnaval com animação redobrada.