Publicidade
Editorial

Carnaval da vida

14/01/2018 às 18:01
Show dona

Dona Zuzu, a personagem tema do enredo da escola de samba Sem Compromisso enche de inspiração, determinação e esperança segmentos da população amazonense. O olhar sereno, o jeito frágil e forte é recorte da síntese dos brasileiros e amazônidas.  A mulher que em meio aos obstáculos requebra e compartilha alegria nos carnavais da vida será este ano a homenageada da escola e com ela tantas outras Zuzus que desdobram-se em várias mulheres sem medo de ser feliz, cruzam a estrada, suplantam os obstáculos e bailam a vida no período de carnaval.

A escola de samba demonstra sensibilidade ao buscar entre aquelas e aqueles que a sustentam no sol e na chuva, nos bons e maus momentos, na arena ou nos dias silenciosos. Carnaval para além do espetáculo por vezes grotesco, costuma reunir acontecimentos inesquecíveis em função de uma singularidade, o amor pela escola. D. Zuzu, como mostra matéria de domingo, assinada pelo jornalista Paulo André Nunes, é uma dessas figuras da singularidade que faz morada no carnaval. Aos 87 anos, a amazonense filha de maranhense e cearense não costurou somente as fantasias para a sua escola e outras, costura laços de vida e das lutas de tantos brasileiros, das mulheres. Faz cadência nas resistências que têm marcas na pele e na alma dela como luz que não se apaga e em rodopios impressionantes.

Enquanto amplos setores de participação do poder repetem o caminho mais curto para se perpetuarem em seus postos e manipulam para se apropriarem cada vez mais dos bens públicos, brasileiros como D. Zuzu manejam a arte da sobrevivência, do direito de sonhar e de apostar que sairão vencedores em seus projetos de vida mais digna. A política feita por Dona Zuzu é bem diferente daquela dos políticos que por vezes viram enredo de escolas de samba mais pelo dinheiro que podem oferecer do que por mérito histórico.

A habilidade na costura é para reunir retalhos e compor colchas que espalham possibilidades de participação, de abrir espaços, de chamar atenção e de convite a outra postura de vida. O enredo encarnado em Zuzu é o da sobrevivência às tempestades, ao racismo e de receber as pessoas com olhar sereno e sorriso acolhedor. É outra face das lições do carnaval da vida.