Publicidade
Sim & Não

Cash Back: mais uma operação da PF ‘vazou’

11/10/2018 às 09:50 - Atualizado em 11/10/2018 às 11:14
Show 10858cdb 2b37 4242 81d4 29fe94bb9527 4abcd600 37e6 4c4b a2e5 a08141a957b0

Era para ser surpresa. Mas investigados da operação “Cash Back, deflagrada pela Polícia Federal no Amazonas na manhã desta quinta-feira (11), já sabiam que seriam alvos da ação que é desdobramento da “Maus Caminhos”, investigação que comprovou desvios milionários da Saúde do Estado.

Conforme A CRÍTICA apurou, um dos 16 mandados de prisão seria cumprido no Edifício Mediterraneé, na Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus. O alvo seria um advogado. Quando os agentes chegaram ao condomínio, o advogado não estava em casa. Os policiais federais ouviram que ele “viajou” para São Paulo.

Há outros motivos para atestar que informações da operação se espalharam antes do “timing” oficial estabelecido pela PF. Equipes da imprensa se posicionaram em frente à PF e próximo à casa de investigados da operação ainda na madrugada desta quinta (11).

Alvo da operação Cash Back, o empresário Murad Abdel Aziz, irmão do senador Omar Aziz (PSD), decidiu coincidentemente, ainda ontem, não abrir na data de hoje a academia da qual é dono, a AZ Fitness, que funciona no Parque das Laranjeiras.

Um aviso postado nas redes sociais da AZ Fitness, às 20h de ontem, quarta-feira (10), informou que a academia não funcionaria hoje, no dia da operação da PF, devido a “diversos picos de energia” que o estabelecimento estaria sofrendo, forçando reparos na “subestação e gerador”.