Publicidade
Editorial

Ciência,iniciativas e garantias

11/04/2016 às 21:41
Show show genius

Estudantes adolescentes de escolas públicas do Amazonas fizeram uma das lições mais difíceis: desenvolver projetos de iniciação científica e ter suas iniciativas aprovadas para disputar, em nível internacional, de uma competição que reúne iniciativas do gênero nas várias áreas do conhecimento tendo como mote soluções sustentáveis para questões globais do meio ambiente.

Os estudantes, Paloma Kaline Costa, 16, e Jonh Victor Alves Lima, 17, da escola estadual “Maria da Luz Calderaro”, no bairro Redenção, Zona Oeste, tiveram seus projetos aprovados e disputam com colegas dos quatro continentes a indicação final. A dificuldade deles é a falta de recursos financeiros para as despesas com as passagens aéreas até a cidade de Oswego, no Estado de Nova York, onde ocorrerá, no mês de junho, a Olimpíadas Genius.

Os estudantes participam do projeto Ciência na Escola (PCE), realizado com apoio da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). E são testemunhas de como iniciativas de caráter permanente e que carregam com ela a responsabilidade de professores em estabelecer cenários possíveis e estimular os alunos em torno da prática científica têm resultados altamente positivos. Tantas outras iniciativas podem ocorrer abrindo portas  seguras e promissoras, inicialmente aos estudantes e, ao longo do processo, à sociedade amazonense. Sabe o quanto, por razões variadas, o Estado está distante dessa marca até porque a cultura científica dentro da Educação é conquista a ser feita, ainda assim e diante das enormes dificuldades, os resultados aparecem.

Será frustrante se os adolescentes forem impedidos de realizar a outra parte da proposta dessa ação e do sonho deles que é a participação este ano das Olimpíadas Genius, apresentado seus projetos perante professores e estudantes das várias regiões do mundo, como mostra matéria publicada na edição de hoje, no caderno de Cidades. E será, ao mesmo tempo, uma demonstração do quanto a Educação fica em segundo plano, afinal, os valores a serem aplicados numa viagem dessa natureza na são tão altos e sim investimentos que devem ser garantidos como incentivo à iniciação científica na Região Norte e, particularmente, no Estado do Amazonas. E, por último, será vergonhoso e decepcionante não se assegurar a participação dos estudantes nessa modalidade de competição e de intercâmbio científico.