Publicidade
Sim & Não

Delação premiada de José Melo pode causar terremoto político no Amazonas

06/01/2018 às 16:27 - Atualizado em 06/01/2018 às 17:55
Show 85

Nem mesmo o anúncio feito pela defesa do ex-governador José Melo e da ex-primeira-dama Edilene Gomes, de que ambos não pretendem fazer delação premiada, conseguiu acalmar os nervos no mundo político do Amazonas. A experiência da Lava Jato mostra que reviravoltas são naturais em investigações dessa magnitude. De tão apreensivos, aliados e ex-aliados já enviaram emissários para sentir a temperatura de Melo. Uma delação do ex-governador causará um terremoto político.

Barba de molho

O mesmo clima de apreensão tomou conta de membros da Assembleia Legislativa do Estado (ALE/AM). Tanto que alguns deputados estaduais que planejavam novos voos já colocaram o pé no freio. Aguardam os desdobramentos da Operação Maus Caminhos.

Lealdade

Enquanto governou o Estado, José Melo teve nas mãos uma bancada fiel na Assembleia, que jamais contrariou os interesses do Executivo. Líder do governo Melo no Legislativo Estadual, David Almeida (PSD) foi recompensado com o posto de presidente da Casa. 

Coragem

Até um polêmico reajuste de 2% na alíquota do ICMS a ALE/AM aprovou, em março de 2017, sob a tutela de José Melo. O projeto era tão incoerente que a Assembleia revogou a lei - mas só depois que o governador foi cassado.

Memória

Vale lembrar que a aprovação do reajuste de ICMS - que considerou  “supérfluo” combustível, gás de cozinha e TV  por assinatura  -  tinha como fim aumentar recursos para o  Fundo de Promoção Social.

Audaciosos

Apesar do temor de delações e novas revelações, ainda há quem articule contra a Operação Maus Caminhos e use de ameaças ou tentativas de constrangimento. É a parte do grupo que não se deu conta da amplitude da investigação - que chegará à área de Educação. A ficha - de alguns - ainda não caiu. 

Finalmente

Depois que A CRÍTICA tornou pública a cobrança do vereador Chico Preto (PMN) sobre as ações e os gastos do Fundo Manaus Solidária, a primeira-dama Elisabeth Valeiko postou ontem, pela primeira vez, uma reunião de trabalho com sete servidoras do órgão.

Caixa-preta

Não se sabe, até aqui, como se dão os gastos do fundo gerido por “Betinha”, que tem status e salário de secretária (R$ 15 mil), mas passou boa parte de 2017 acompanhando o prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB) em viagens pelo Brasil e o exterior. Em uma canetada, o tucano transferiu ao fundo R$ 6 milhões em junho.

Jatinhos

Por falar em viagens, a maioria das saídas do prefeito de Manaus - via aeroporto Eduardinho - são um “mistério” que já está sendo desvendado.

Bye Bye

Articuladores do Livres no AM anunciaram a saída do PLS. O motivo: a chegada de Jair Bolsonado, que será candidato à Presidência da República pela legenda.

Arbitrariedade

“Tomamos a decisão de sair do partido porque não concordamos com o autoritarismo e a imposição de ideias do Bolsonaro”, disse, neste sábado, o presidente da Executiva Estadual do PSL/Livres no AM, Julio Lins.

Alternativa

Segundo Lins, o Livres “se torna um movimento suprapartidário que vai lançar candidatura em outros partidos”.