Publicidade
Sim & Não

Demanda do município pesou na crise

20/05/2016 às 21:29
Show elias

Fala do secretário Pedro Elias (Saúde) mostra que incomoda ao governo estadual ter que receber, principalmente nessa época de crise, demanda que, constitucionalmente, deveria ser absorvida pelo município. Ao mencionar 
as mudanças que a Susam fará em sua rede na capital, Pedro Elias afirmou, ontem, que os equipamentos de saúde em Manaus (Estado e prefeitura) vão na contra-mão do que a OMS preconiza, que é a estratégia de Saúde da Família. 

Quebra-cabeça  

“Criaram estrutura para atender criança de um lado da rua, a mãe no outro e o pai em um local mais distante”, criticou Pedro Elias.

Pelo contrário  

O governador José Melo (Pros) afirmou, ontem, que investir R$ 100 milhões em obras de tapa buraco em Manaus, como ele pretende fazer esse ano, não é um gesto de quem esteja a ponto de romper com o prefeito Artur Neto (PSDB). 

Dever maior  

Segundo Melo, apesar ter “gente” tentando separar ele do tucano, essa possibilidade não existe. Para o governador, ele e o prefeito têm compromissos com o povo da capital. Por isso, brigar seria irresponsabilidade. 

Fonte  

Os R$ 100 milhões, segundo o governador, sairão de um empréstimo que o Estado costura junto ao Banco do Brasil.

Habilidoso  

O secretário Thomaz Nogueira classifica como corajosa e ao mesmo tempo estratégica a decisão de Melo de excluir das medidas que anunciou ontem a demissão de servidores e a redução de salários.

No limite  

O atual comprometimento de 48,06% da receita corrente líquida com pessoal deixa o Governo do Amazonas a 1% do limite máximo estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal, que é de 49%.

Última fronteira  

José Melo diz ter informações de especialistas dando conta que são os salários dos servidores estaduais que têm impedido que a economia do Amazonas atinja o fundo do poço.

Até melhorar  

O secretário Américo Gorayeb (Obras) afirmou que o contrato da obra da Cidade Universitária da UEA, em Iranduba, foi suspenso. Segundo ele, o investimento depende de recursos oriundos da indústria; com a crise no setor, a fonte secou.

Lado bom  

Da primeira-dama do Estado, Edilene Gomes de Oliveira, para grupo de secretários que estavam no mesmo lado que ela na sala de imprensa da sede do governo, antes da coletiva do marido: “Nesse lado o corte foi maior, mas a gente é mais feliz”.

Nada escapou  

Além do corte do patrocínio para o Festival de Parintins, o governo reduziu em quase 2/3 a equipe que a Secretaria de Comunicação (Secom) mandará para a festa. Segundo o secretário Amaral Augusto, em vez de 22, somente 8 servidores viajarão para a ilha.

Deu na mídia  

Notícia do site do jornal Folha de São Paulo cravava, ontem, que o MEC deve confirmar na próxima semana o nome do secretário de Educação do Estado do Amazonas, Rossieli Soares da Silva, para comandar a Secretaria de Educação Básica (SEB). A saída já estaria sendo tratada com Melo, diz o jornal.