Publicidade
Editorial

Desrespeito com o usuário do transporte

21/02/2017 às 22:08
Show onibus0333

A polêmica em torno da tarifa de ônibus em Manaus há tempos assumiu contornos surreais. Primeiro foi a própria surpresa com o aumento anunciado no final de janeiro pelo vice-prefeito Marcos Rotta; seguida de disputas judiciais, paralisações promovidas pelo Sindicato dos Rodoviários e queda de braço com o Poder Judiciário. 

Em meio ao fogo cruzado, quem padece são os usuários, tratados com extremo desrespeito, tanto pela Prefeitura quanto pelas empresas de ônibus. Ontem, as ações parecem ter sido combinadas. Paralisação de rodoviários nas primeiras horas da manhã, causando transtornos que já estão se tornando comuns na vida dos manauaras que utilizam o serviço público de transporte. Em ato contínuo, a Prefeitura anuncia o segundo reajuste da tarifa em menos de um mês. Desrespeito é a palavra que resume o que se faz com o usuário do sistema.

A postura do prefeito mudou completamente. O Artur que, no ano passado, entrou nos ônibus para rasgar os avisos de reajuste, desafiou a Justiça e dizia  que preferia ser preso a permitir novo aumento no preço da passagem, perdeu-se em algum ponto entre o resultado das eleições e a posse para o novo mandato no dia 1º de janeiro. A Artur que se vê hoje tem uma postura completamente diferente. Nada de discutir com empresários. A estratégia é tentar atribuir a outros a culpa pela própria má gestão. 

Enquanto isso, o usuário do sistema começa a fazer as contas. Andar de ônibus em Manaus está quase tão caro quanto andar de automóvel, mesmo com o preço da gasolina nas alturas. Quem mora na Zona Leste, por exemplo, e precisa tomar dois ônibus para ir e mais dois para voltar do trabalho, gastará R$ 15,20 por dia. Mesmo com a gasolina cara, dificilmente alguém gastará esse valor em combustível em seus deslocamentos diários.

 No momento que o Brasil luta para superar uma crise econômica que se arrasta por anos, tudo que não precisamos é de medidas mal explicadas que apertarão ainda mais as finanças da população, restringindo ainda mais a capacidade de consumo. Andar de ônibus em Manaus está se tornando um serviço com custo de luxo, sendo que a qualidade do serviço não acompanha a alta da tarifa. A Prefeitura de Manaus tem a obrigação de explicar em detalhes esse reajuste, mostrando a planilha do transporte público que vem sendo guardada a sete chaves.