Segunda-feira, 28 de Setembro de 2020
Editorial

É preciso controlar os preços


show_1_20285962-C350-4BA8-AF6F-9F5657E0968C.jpg
14/09/2020 às 09:03

Os bons indicadores de setores como o industrial e de serviços apontam para recuperação da economia em tempo menor ou, pelo menos, na redução dos impactos negativos provocados pela COVID-19 na área produtiva. Não é quadro de equilíbrio e está distante de ser, no entanto, demonstra um potencial de superação significativo liderado pela população mesmo atingida durante pela pandemia e a ineficiência das ações de governo destinadas a enfrentar a situação.

No comércio gradativamente há um retorno às compras. No segmento da construção civil, a falta de produtos como cimento, areia, tijolo e de outros acessórios se deve também pela busca acentuada verificada no período pandêmico. O que vai na contramão dessa tendência é a conduta de vários empresários de diferentes setores que tentam obter lucros altos nesse cenário ignorando completamente a dificuldade mais aguda e mais geral que a sociedade e o País vivenciaram por mais de quatro meses. 

Chamam atenção dos contribuintes e dos consumidores o preço alto do tijolo, do cimento, da areia, das tintas. Na outra ponta, como já exposto em vários relatos jornalísticos e por órgãos de pesquisa e de controle, os produtos alimentícios, de limpeza e os medicamentos passaram por reajustes contínuos em porcentuais injustificáveis. Os números de crescimento que vêm sendo apresentados nos diferentes segmentos pedem que os governos nos três níveis atuem para fazer mecanismos de controle que garantam o efetivo direito do consumidor nessa gangorra que os brasileiros assistem e da qual são vítimas. O arrocho não pode ser transferido apenas aos consumidores, como vem acontecendo nos últimos três meses. Cabe a autoridade governamental agir para confrontar os números e estabelecer regras que respeitem o direito empresarial e estabeleça salvaguardas ao consumidor.

Até agora, as iniciativas tomadas não derma conta dessa demanda, ao contrário, ignoram o que está ocorrendo e, para manter acordos políticos com determinados setores e até com o governo norte-americano, estas atacam produtores internos e funcionam para manter a elevação de preços, como no caso do arroz.  Se há sinais de reaquecimento da economia por que a política de reajuste nos preços dos produtos e serviços segue em disparada? A população está sendo sufocada pela pandemia da Covid-19 e pelo abuso contra a economia popular. 
   
 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.