Publicidade
Editorial

Falta ação concreta contra a obesidade

30/06/2018 às 15:41 - Atualizado em 30/06/2018 às 15:45
Show show mulher com sobrepeso

Manaus aparece em primeiro lugar entre as capitais brasileiras com maior número de pessoas obesas. A pesquisa “Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel)” aponta os manauaras com o porcentual de 57,6%, o mais alto, entre as populações obesas. O resultado confirma outros estudos e levantamentos nessa área envolvendo os moradores de Manaus e de municípios da região metropolitana.

A obesidade é um problema real de saúde pública embora ainda não tenha sido tratada nessa perspectiva. A inexistência de ações públicas de prevenção e a aparente falta de preocupação dos gestores públicos faz com que o quadro desenhado seja ainda mais preocupante porque se torna efeito em cascata agravando o já combalido sistema público de atenção à saúde e os problemas das famílias onde vivem as pessoas obesas, parte delas sujeita a uma série de complicações e impedimentos.

O cuidado com a saúde do corpo ganhou referências de mercado onde atuam simultaneamente profissionais, laboratórios produtores de produtos para a magreza e a publicidade. A questão da saúde é minimizada ou mesmo ignorada diante de campanhas obsessivas que prometem por diferentes plataformas resultados milagrosos enquanto muitas pessoas, frustradas por não conseguirem ter esse desempenho, acumulam mais doenças desde a sensação de fraco à depressão.

Dar aos dados das pesquisas feitas credibilidade e reforças nos centros públicos de saúde os mecanismos de atenção e acompanhamento do sobrepeso é agora tarefa urgente aos governos, às instituições e às organizações sociais comunitárias, sindicais a fim de que seja possível criar em Manaus e no Amazonas um ambiente favorável à cultura de saúde do corpo e da mente. Uma visita rápida às escolas e aos locais de venda de alimentos dentro e no entorno delas é possível identificar sem dificuldade o que está sendo ofertado à comunidade estudantil, um dos públicos alvo do mercado de alimentos industrializados. Manaus e o Amazonas podem ter uma dieta saudável à disposição de suas populações, falta criar ambiente propício para que peixes, legumes, frutas, sucos sejam parte natural do cardápio e, com ele, o incentivo as práticas de exercícios corporais para vencer o sedentarismo e o adoecimento que esse tipo de conduta conjugada  provoca.