Publicidade
Sim & Não

‘Fisiologistas querem cargo a todo custo’, diz Hissa Abrahão

15/01/2018 às 21:28
Show hissa

O PDT do Amazonas  iniciou o ano eleitoral em guerra interna. Um grupo que discorda das diretrizes do partido vem dando certa dor de cabeça ao presidente estadual da legenda, deputado federal Hissa Abrahão. Partiu desse grupo, conforme Hissa, o “boato” de que ele não seria mais candidato à reeleição, disputaria uma vaga na ALE/AM e ainda abandonaria a sigla. “São fisiologistas que querem cargo a todo custo e pensam que a administração ainda funciona como no velho esquema”, disparou.

Tiros De acordo com Hissa Abrahão, “um pequeno  grupo quer rachar o PDT e dominar o partido”. Ele ainda afirmou que os boatos a seu respeito são apenas uma tentativa de constrangê-lo.

Estopim A troca abrupta na direção do PDT em Parintins - Brenno Briglia agora é quem manda na legenda por lá -  está entre os motivos da crise interna da sigla, o que, inclusive, causou polêmica no grupo de WhatsApp do partido.

Míssil  “A nossa história e a nossa luta está sendo desrespeitada e jogada na lata do lixo por alguém que não respeita os nossos companheiros”, detonou Stones Machado, ex-presidente da sigla, em mensagem direcionada a Hissa.  

Reexame 1 O Grupo de Trabalho criado para examinar a legalidade de procedimentos em processo de pagamento e reconhecimento de dívidas, no âmbito da Seduc, já tem um primeiro diagnóstico da situação encontrada na pasta.

Reexame 2 Técnicos da pasta identificaram que as gestões anteriores deixaram “contratos expirados”, que continuavam a ser executados, além de contratos sem autorização formal e documental que foram executados somente com “acordo verbal”.

Ainda Há processos repetidos, fracionamento de licitação e diversos reconhecimentos de dívidas. A equipe da Seduc que está debruçada na análise dos contratos vai trabalhar na elaboração da proposta de revisão de contratos, visando a renegociação, com abatimento dos valores.

Saúde  A má utilização de recursos repassados pela Funasa ao governo do Estado se tornou alvo de investigação do Ministério Público Federal (MPF/AM).

Destino Portaria assinada pelo procurador federal Thiago Pinheiro Corrêa determina a instauração de inquérito civil para apurar a destinação de recursos transferidos ao Estado pela Funasa para o pagamento de agentes de endemias. O mesmo inquérito  investiga a “suposta prática de assédio moral” na Funasa.

Em boa hora O sistema de agendamento de cirurgias disponibilizado pelo governo do Estado também é investigado no MPF/AM. A demora para a realização de procedimentos cirúrgicos, queixa generalizada em todo o Amazonas, está no cerne da apuração, que é comandada pela procuradora Bruna Menezes da Silva.

Violência Motoristas de ônibus, cobradores e usuários do transporte coletivo de Manaus foram perturbados 3.605 vezes por bandidos, em 2017. Esse é o número de assaltos a coletivos no ano passado.

Detenções No período, a SSP/AM diz que prendeu 1.455 pessoas por roubos a coletivos, ônibus alternativos e rotas.