Publicidade
Editorial

Há 68 anos de mãos dadas com o povo

18/04/2017 às 22:31 - Atualizado em 18/04/2017 às 22:35
Show jornal ac0333

“A luta não parou”. Com essa frase, Umberto Calderaro Filho, fundador da Rede Calderaro de Comunicação (RCC) - juntamente com sua esposa, Rita de Araújo Calderaro - terminava seu último editorial, publicado no Jornal A CRÍTICA há exatos 22 anos, em 19 de abril de 1995, quando o jornal completava 46 anos de existência. O texto de Calderaro, mais de duas décadas depois, continua atual. E hoje, quando A CRÍTICA completa 68 anos, os ideais de seu fundador continuam mais presentes do que nunca.

 No editorial de 1995, Calderaro ressalta sua origem humilde - seus pais não frequentavam as altas rodas sociais da época e a falta de dinheiro frequente. Mas aí se aplica uma das máximas de Albert Einstein: “Existe uma força mais poderosa que a eletricidade, o vapor e a energia atômica: a vontade”. A vontade e o comprometimento de Umberto Calderaro superaram a escassez de recursos e o inconformismo dos poderosos de então, que tentaram de todas as formas calar o pequeno jornal que insistia em desafiá-los, expondo em suas páginas as mazelas e abusos que vitimavam o povo amazonense. As dificuldades, os obstáculos, os ataques ao jornal e aos demais veículos da Rede sempre foram uma constante. Mas , apesar de todos os problemas, a persistência venceu.

sonho virou realidade. Ano após ano, A CRÍTICA resistiu, e se consolidou como o maior grupo de mídia do Norte do País. No início dos anos 1990, nova provação, além dos constantes ataques, o jornal também enfrentou a conjuntura econômica totalmente desfavorável. O governo do então presidente, Fernando Collor, abriu a economia do País abruptamente, causando quebradeira de empresas na Zona Franca de Manaus e fuga maciça de investimentos.

Os tempos eram obscuros. Mas a fase foi superada com coragem. Foi exatamente nesse período que Umberto Calderaro decidiu investir, construindo uma nova sede e modernizando o parque gráfico do jornal.

Menos de dois meses após publicar o icônico editorial, Calderaro faleceu. Mas o legado dele já estava plenamente consolidado e segue mais vivo do que nunca, inspirando todos os dias a família que continua sua missão, assim como os colaboradores que fazem A CRÍTICA e os demais veículos da Rede. A luta não parou. Já são 68 anos honrando o slogan criado por Umberto Calderaro: de mãos dadas com o povo.