Publicidade
Editorial

Informação para combater a violência

07/04/2018 às 16:19
Show cyberbullying

Nos dias 10 e 11, no Teatro Manauara, encontro marcado para as 19h debaterá “Bullying e Cyberbullying, a informação é o melhor remédio”, mediado pela professora, escritora e pesquisadora da área Cleo Fonte. O 7 de abril é dia nacional de combate ao Bullying. A iniciativa para essa discussão é valiosa porque amplia espaços de discussão e de aprendizado em um dos campos onde a violência se expressa em larga escala.

O retrato do Brasil atual demonstra o quanto é necessário pautar esse tema e espalhá-lo por todos os lugares da cidade até se tornar questão de domínio público nacionalmente. Escolas, instituições, empresas, organizações publicas, privadas e do terceiro setor. O espaço virtual ampliou mundialmente as práticas de bullying e criou a sensação de impotência da sociedade diante dos atos de violência cometidos contra as pessoas que estão fora dos padrões determinados.

Esse mesmo espaço virtual é e poderá vir a ser cada vez mais um dos lugares estratégicos de combate a essa violência. Mesmo que robôs possam ser utilizados para compor a cadeia de ataques, como já ocorre, é também nele que podem ser construídas alternativas de enfrentamento; de estabelecimento de outra conduta de ativismo capaz de promover e enraizar a cultura de paz sobre o culto a todas às formas de violência. É preciso nessa direção que os promotores das violências sejam identificados e legalmente punidos porque a impunidade as alimenta e as fortalece. Há poucos dias, uma desembargadora do Rio de Janeiro atacou, via rede social, uma professora portadora de síndrome de down e atacou e feriu a todos, portadores, familiares, amigos, ativistas dessa causa, que lutam para inclusão e pelo respeito. Atitudes dessa natureza não podem ficar impunes, e não apenas punir com afastamento do cargo e manutenção dos vencimentos a que tem direito porque em casos desses a sensação é que a pessoa está sendo premiada.

A informação responsável é sim o remédio mais eficaz para combater a ignorância, a maldade, a indiferença e os ataques aos que são diferentes. É preciso saber que essa postura, seja quem a adote, é criminosa e como tal deve ser combatida. O Brasil é um dos países onde o bullying é prática comum. Brotam no País inúmeras iniciativas que se propõem a enfrentar tal realidade para que o Brasil supere as violências e se integre em torno de um principio de maior igualdade e de respeito.