Publicidade
Editorial

Insatisfação em bairros de Manaus revela o 'termômetro' do abandono

13/07/2017 às 01:15
Show aparecida

As manifestações de grupo de moradores do Aparecida por melhoria da infraestrutura no bairro  é um termômetro do grau de insatisfação de  muitos moradores dos bairros de Manaus. A Aparecida está situada na zona central de Manaus e abriga uma série e atividades que mantêm intenso o fluxo de pessoas e serviços naquela região. Obrigatoriamente, se faz vista e procurada diariamente, o que deveria assegurar ao bairro condições de normalidade.

A novena na Igreja de Nossa Senhora Aparecida, a tradicional feira livre, a escola de samba, os estabelecimentos comerciais, centros educacionais, oficinas, órgãos públicos, moradores formam uma força expressiva daquele local, sem considerar o número alto de pessoas de outras áreas da cidade que tem presença frequente no bairro. A situação de abandono e deterioração do lugar assusta os moradores e, diante do tempo sem providências por parte do governo municipal, estão botando a cara na rua e a boca no mundo. Uma postura importante da comunidade tanto para chamar atenção pública a um problema que se arrasta quanto por confirmar que moradores e comunidades podem mais quando se reúnem e se unem em torno de uma causa. Servem de exemplos a outros tantos bairros que estão em situação deploráveis.

Tem-se a sensação de que os gestores públicos entraram em um longo período de férias e decidiram deixar os problemas se acumularem até um estouro maior. Problemas antigos são somados aos novos e, juntos, parecem uma panela submetida a alta pressão. Buracos em ruas, lixo, ratos; espaços de uso do pedestre tomados ou danificados; pracinhas destruídas ou privatizadas para negócios que, por vezes, desrespeitam e ameaçam os moradores. Reclamar para quem? Daí a importância da atitude do grupo de moradores de Aparecida que agora já se constituem em um movimento em favor do bairro, disposto a lutar para vê-lo recuperado.

Ao mesmo tempo, mobilizações como essa que moradores estão fazendo é postura de vigilância salutar porque alerta o poder público para tomar providências e, igualmente, trabalha contra a manutenção do imobilismo comunitário. Quanto mais atenta estiver a comunidade em relação as condições de vida que tem maiores serão as chances de torná-la um lugar adequado para viver e trabalhar. Dignidade é o que desejam.