Publicidade
Editorial

Insegurança nos ônibus

08/01/2019 às 07:39
Show  nibus d1c41b95 a491 490a a9a5 16e508f05a3c

Nunca foi tão perigoso usar o transporte público em Manaus. Impressiona o número de pessoas presas por roubo em coletivos de Manaus ao longo de 2018. São mais de 1,4 mil. Se todos permanecessem presos, faltariam unidades prisionais em Manaus para acomodar tantos ladrões. Juntos, os dois Centros de Detenção Provisória de Manaus (CDPM) têm capacidade para receber pouco mais de 1,1 mil detentos. O Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) pode abrigar 450.

Se nem todos estão presos, é fácil concluir que muitos dentre os que foram presos por assaltos a ônibus estão livres para voltar a cometer o mesmo crime. 

Vale ressaltar que esses 1,4 mil presos certamente representam apenas uma pequena parcela dos criminosos que levam insegurança ao transporte público. Muitos outros continuam agindo todos os dias nos coletivos, apostando na impunidade. A média no ano passado foi de sete assaltos por dia. Ou seja, o passageiro já entra no ônibus rezando para não estar entre os “escolhidos” pelos bandidos. 

A população precisa de uma resposta firme e eficaz. É um absurdo pagar uma das maiores tarifas do País, andar em veículos velhos e sem manutenção e ainda correr o risco de ser assaltado a qualquer momento dentro do coletivo. Infelizmente, os assaltos nos ônibus de Manaus são tão frequentes que nem causam espanto, começam a ser vistos como algo “normal”, um tipo de crime banal. Aí está algo que a sociedade não pode permitir: a banalização da insegurança, a aceitação da impunidade.

Uma estratégia de segurança precisa ser elaborada com urgência para mudar essas estatísticas. Algumas iniciativas já foram postas em prática, como o aplicativo Aviso Polícia, disponível nas plataformas Android e iOS, que funciona como um “botão do pânico” para a população em qualquer situação de ameaça dentro dos ônibus. Com o app instalado, o cidadão que fizer o chamado coloca o veículo em rastreamento automático pelas equipes policiais. Foram mais de 400 acionamentos por meio do aplicativo desde que a novidade foi lançada em novembro de 2018. Como é muito recente, ainda não é possível fazer uma avaliação dos impactos no índice de assaltos em ônibus. Mas existe a certeza de que muito mais precisa ser feito para garantir a segurança dos passageiros.