Publicidade
Sim & Não

Investigações da Lava Jato revelam quem é o político Artur Neto, prefeito de Manaus

10/12/2016 às 19:24 - Atualizado em 10/12/2016 às 19:26
Show artur

As revelações feitas por um delator do Petrolão – o diretor de relações institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho – vão desnudando aos poucos quem é o político que se escondia por trás de um combativo parlamentar de oposição, que taxava adversários de “bandidos” e que venceu as duas últimas eleições para a Prefeitura de Manaus com a retórica recheada de frases contra a corrupção. Não é de hoje, porém, que notícias envolvem Artur Neto em ilícitos. O tucano já admitiu publicamente o uso de Caixa 2 em campanha. Saiu ileso e sempre disfarçou sua conduta com o grito de “pega ladrão”.

Confissão

No dia 19 de novembro de 2000, Artur Neto confessou ao Jornal do Brasil: “Em 1986, fui obrigado a fazer caixa 2 na campanha para o governo do Amazonas. As empresas que fizeram doação não declararam as doações com medo de perseguição política”, afirmou, em matéria assinada por Valdeci Rodrigues.

Mocinho x Bandido

Na mesma entrevista, o político combativo sustentou: “Vamos acabar com mocinhos pré-fabricados e bandidos pré-concebidos. Neste país, o caixa 1 é improvável. A maioria das campanhas tem caixa 2”. As delações confirmam o que Artur dizia sobre ele próprio.

Gritaria

Para o deputado Serafim Corrêa (PSB), não será fácil para o Executivo negociar com os demais poderes a adoção de limites de despesas por 10 anos. “Brasil afora haverá barulho e resistências nas Assembleias, e corporações contestarão politicamente. As medidas propostas são duras, mas inevitáveis, a meu ver, para o equilíbrio do setor público”, comentou.

Tudo ou nada

Para continuar dando aval a empréstimos ao governo, a União, entre outras coisas, exige a adoção de um teto nos gastos do Estado por uma década, e aumento na contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14%. O Amazonas aceitou o acordo, que exige ainda que convença os demais poderes a fazerem o mesmo.

Ideal

O secretário Afonso Lobo (Fazenda) diz que a intenção do governo é que a PEC estabelecendo o limitador de gastos do governo seja enviada à ALE-AM já contendo os limitadores de despesas dos outros poderes. Mas se não houver acordo, aprova-se primeiro só o do Executivo.

Sim...

Membros do governo dizem entender a dificuldade dos deputados em achar espaço no orçamento para encaixarem suas emendas. Como o orçamento impositivo (por meio de emendas) foi aprovado depois da confecção da LOA, não tinha como prevê-las....

...e não

Apesar da solidariedade aos parlamentares, no governo, o entendimento é que não se pode fazer mais nada para ajudar. Desde a aprovação, a Casa foi informada que tem liberdade para mexer no projeto (LOA), respeitado as vinculações legais, e recebeu palestra sobre onde é possível mexer no texto.

Independente?

Tratando o congelamento dos salários dos vereadores como algo inédito no País, o presidente da CMM, Wilker Barreto (PHS), nega que a medita tenha sido uma orientação da Prefeitura de Manaus. Segundo o parlamentar, a ida do prefeito à Casa para falar sobre o assunto foi somente um gesto político.

Iniciativa

O Detran-AM anuncia nesta segunda, 12, uma parceria com autoescolas para oferecer curso de habilitação gratuito a portadores de deficiência. O órgão terá um carro adaptado para as aulas, e as autoescolas contribuirão com o instrutor.