Publicidade
Editorial

Mandatos desperdiçados

24/09/2017 às 20:19 - Atualizado em 24/09/2017 às 20:30
Show manda

Um mandato parlamentar é uma honra, um grande e importante compromisso. Em nosso regime democrático, o povo detém o poder e o exerce através de seus representantes, escolhidos por meio do voto direto. O candidato contemplado pela escolha popular é um servidor público, alguém que assume a missão de criar leis que atendam as necessidades e aspirações da população.

Como agente público, o parlamentar é sustentado pelo dinheiro do contribuinte, e custa caro. Cada um dos 513 deputados federais pode receber sozinho até R$ 83,6 mil por mês. Considerando a verba de gabinete, usada para custear os funcionários à sua disposição, o político pode custar até R$ 180,7 mil por mês aos cofres públicos. Isso equivale a uma despesa de R$ 2,1 milhões por ano, por deputado federal. Não há como dizer que ganham pouco, pelo contrário, os parlamentares brasileiros estão entre os mais bem pagos do mundo, e com um enorme conjunto de regalias.

O que esperar de agentes públicos tão privilegiados? O mesmo que se espera de qualquer funcionário público: trabalho, compromisso com a nobre tarefa que lhe foi confiada. Comparecer às sessões da Casa e participar das votações é o mínimo que podem fazer para honrar os votos que receberam.  Eles precisam fazer valer cada centavo que custam à nação. Infelizmente, no caso dos parlamentares do Amazonas, não é bem o que acontece.

Dos oito deputados que nos representam em Brasília, apenas dois possuem índice aceitável de presença no trabalho. Qualquer trabalhador brasileiro que faltar ao trabalho em 30% dos dias em que deveria trabalhar – isso equivale a faltar dez dias em um mês – seria imediatamente demitido. É exatamente isso que fazem alguns deputados em Brasília, simplesmente não trabalham. Vale lembrar que esse conjunto de deputados foi eleito em 2014, ainda no clima das manifestações que tomaram conta do País no ano anterior, quando milhões de pessoas foram às ruas pedir, entre outras coisas, mais moralidade na política. No entanto, na hora de votar, elegemos um grupo onde apenas um tem 100% de presença.

O principal protesto, uma das únicas armas do povo é o voto. No próximo ano, os eleitores terão nova chance de escolher novos deputados. Será a oportunidade para “demitir” quem não trabalha e vê o mandato apenas como um privilégio e uma forma de obter vantagens. Não há como saber se alguém será um bom ou um mau representante, mas já sabemos quem teve a chance de trabalhar pelo povo e não o fez.