Publicidade
Editorial

Motivos para ser otimista

12/04/2018 às 22:17
Show honda 123

Independentemente do cenário político do Brasil, a caminhada rumo à recuperação econômica está em pleno andamento, embora a velocidade na recomposição dos empregos perdidos nos últimos anos ainda pareça lenta. Vários anos seguidos de desaquecimento econômico não podem ser revertidos em poucos meses. Vale ressaltar que só na Zona Franca de Manaus, o encolhimento na oferta de postos de trabalho chegou a 40% no auge da crise, atingindo setores fundamentais da indústria amazonense, como os polos de eletroeletrônicos e de duas rodas, atingidos duramente pela queda no consumo interno do País. Mas os brasileiros, e os manauaras em especial, têm motivos para manter o otimismo e acreditar que já estamos na curva ascendente, com ótimas expectativas de melhora no cenário geral da economia.

Um desses dados é o crescimento na produção de motocicletas nas fábricas da Zona Franca. Segundo dados da Abraciclo, a alta foi superior a 12% só nos primeiros três meses do ano. A produção aquecida é uma resposta do setor produtivo ao aumento na demanda. As pessoas estão voltando a comprar motos. As vendas diretas ao consumidor cresceram 4% no primeiro trimestre do ano. Só no mês passado, a alta foi de 25,9% em relação ao mês anterior. E a tendência é melhorar ainda mais, uma vez que os bancos ainda não repassaram totalmente ao varejo a baixa na taxa de juros. Comprar veículos – e quaisquer outros bens duráveis – deve ficar mais barato neste ano.

O mesmo sentimento de otimismo se verifica no mercado imobiliário que espera a retomada de obras por parte do setor público e maior intensidade nos lançamentos. Isso deve reverter o quadro ainda negativo de empregabilidade na construção civil, um dos setores que, assim como o comércio, ainda sofre com a perda de postos de trabalho. O motor da economia começa a girar mais rápido causando o efeito em cadeia que resulta em um panorama mais saudável para empresas, consumidores e trabalhadores. Outro dado interessante é que a inflação tem sido menor para os mais pobres.

A projeção de crescimento da economia para o próximo ano, segundo a proposta da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) apresentada ontem, é de 3%. Não se trata de excesso de otimismo; os dados macroeconômicos do País apontam nessa direção. O momento é de acreditar, manter o otimismo frente às dificuldades que ainda persistem e se preparar para os dias melhores.