Publicidade
Sim & Não

MP-AM quer estancar demissões

11/10/2016 às 21:17
Show cabraas0333

Promotores do interior ameaçam acionar a Justiça contra prefeitos que estão demitindo servidores após as eleições do dia 2. Em Parintins, o Ministério Público Estadual (MP-AM) mandou ofício pedindo para que Alexandre da Carbrás (PSD) acabe com as demissões e contrate novamente os demitidos. Em Iranduba, os promotores reuniram com a prefeita Maria Madalena de Jesus Souza (PSD), também alertando para que ela não siga o exemplo do colega de partido em Parintins.

De saída. Ponto em comum entre Carbrás e Madalena é que ambos não serão prefeitos a partir de 2017. O prefeito de Parintins sequer se candidatou. A gestora de Iranduba tentou a reeleição, mas não teve sucesso.

Retaliação.  Além de Parintins e Iranduba, há notícias de outros prefeitos que estão demitindo servidores após a derrota nas urnas.

Ser ou não ser.  O deputado federal Hissa Abrahão anda mesmo sem sintonia com o PDT. Contra orientação da sigla, o parlamentar votou a favor da aprovação da PEC 241, na última segunda-feira.

Por um triz.  Esse ano, Hissa quase foi expulso do PDT por votar a favor do impeachment, posição contrária à orientação partidária. Depois de muita conversa, se livrou da expulsão, se candidatou a prefeito, mas recebeu pouca atenção da sigla.

Mistério.  Falando na votação da PEC 241, o deputado federal Arthur Bisneto (PSDB) é o único da bancada federal do Amazonas cujo posicionamento sobre a proposta de corte de gastos do governo é uma incógnita. O parlamentar não participou da votação.

Na onda.  Os outros sete deputados federais da bancada do Amazonas votaram a favor da aprovação da emenda à Constituição. A matéria ainda será votada em 2º turno na Câmara e depois no Senado.

Ajuda.  O prefeito Artur Neto deve receber mais R$ 100 mil do PSDB nesse 2º turno. Segundo o jornal Estado de São Paulo, a sigla vai injetar R$ 2 milhões nas campanhas dos 19 tucanos que ainda estão brigando por prefeituras. No 1º turno, o prefeito recebeu R$ 630 mil do fundo partidário.

Tá na mesa. O Governo do Estado não descarta a ideia de transferir atendimentos do pronto-socorro João Lúcio (zona Leste) para o hospital Delphina Aziz, na zona Norte.

Aliviando.  A tese do Estado é que muitas unidades, entre elas o João Lúcio, precisam ser desafogadas para melhorar o atendimento à população.

Destravou.  Em Brasília, o secretário estadual Fabrício Lima (Esporte e Lazer) anunciou que conseguiu destravar convênio com o Governo Federal para o projeto “Esporte e Lazer na Comunidade”.

Na mão.  Parado desde 2013, o projeto tem o valor orçado em R$ 4,3 milhões. Fabrício acredita que o recurso poderá ser acessado em 2017.

Não.  O TJ-AM negou, ontem, pedido da Associação Amazonense do Ministério Público para que membros inativos do MP-AM recebam auxílio-moradia.

Óbvio. O pedido dos inativos já havia sido negado pelo MP-AM. Assim como o órgão, o entendimento do TJ-AM foi pelo óbvio: a regalia só se justifica para quem está trabalhando.